O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

A reinserção de ex-presidiários na sociedade brasileira

No filme Isi e Ozzi, o avô de Ozzi comete um delito e é preso. Após anos na prisão e com idade avançada, o avô de Ozzi encontra dificuldade na recolocação no mercado de trabalho e decide então, voltar ao mundo do crime. A problemática da reinserção dos ex-presidiários, assim como o avô de Ozzi, é uma realidade para milhares de brasileiros por muitos anos. Dessa forma, é válido analisar como a sociedade e o mercado de trabalho são influenciadores nesse impasse e como isso prejudica àqueles que buscam uma segunda chance em suas vidas.
Primeiramente, Weber institui a sociedade como um fato social que pode contribuir para a construção do caráter de um indivíduo. No entanto, o mesmo agente construtor de modelos ideais de conduta e padrão, age de forma excludente e opressora com aqueles que já cumpriram o tempo penal estabelecido pela justiça que o rege. Por conta disso, a sociedade ensina os indivíduos a tratarem os ex-presidiários com indiferença e preconceito e atrapalham - de forma permanente- a reconstrução da socialização e de novas oportunidades.
Em segundo plano, o bem comum de uma sociedade idealizada por Mill, é indiferente quando é posto em pauta o assunto “trabalho para ex-presidiários”. Esse “bem comum” é polarizado de forma negativa para o trabalhador que cumpriu com suas obrigações judiciais, visto que para a recolocação no mercado de trabalho há a exigência de ficha criminal limpa (antecedentes criminais), cursos profissionalizantes, níveis de educação altíssimos e outras exigências que o empregador possa ter. Muitos que buscam trabalho e renda, são marginalizados e voltam para o crime para obter sustento. Esses e milhares são desamparados pelo bem comum que, em tese, é para todos.
Portanto, é imprescindível que ações promovidas pela mídia como propagandas por meio de outdoors, comerciais televisivos e rádio tratem de maneira assertiva sobre a inclusão social desses e visem a minimização do preconceito e outras atitudes excludentes. Também, o Ministério do Trabalho com as Secretarias de Assistência Social Municipal devem mapear àqueles que se encontram em liberdade e juntos, promover minicursos de capacitação profissional e palestras de recolocação no mercado de trabalho com a presença de empregadores. Assim, o ex-presidiário passará a obter as mesmas condições que qualquer outro indivíduo e terá maior respeito e equidade social.

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!