O CUPOM VOUPASSAR35 É VÁLIDO POR: dias horas minutos segundos

A crescente descrença no pensamento científico no Brasil

   A Revolta da Vacina, em 1904, marca a insatisfação popular contra uma Lei de vacinação obrigatória que buscava higienizar a então capital do Brasil, a cidade do do Rio de Janeiro. Contudo, embora as rebeliões do século XX sejam plausíveis devido a falta de esclarecimento da população e ao caráter autoritário das medidas impostas pelo prefeito Pereira Passos, atualmente, são inúmeras as evidências científicas, acessíveis à população, que comprovam a eficácia da vacinação, logo, a descrença brasileira na ciência não se justifica. Nesse contexto, convém avaliar os fatores que contribuem para esse quadro de incredulidade contra estudos comprovados.


   Em primeiro lugar, vale ressaltar que apesar do navegador português Fernão de Magalhães ter organizado há 500 anos uma expedição de circum-navegação que demonstrou que a Terra é esférica, 7% dos brasileiros afirmam que o planeta é plano, segundo dados divulgados pelo Instituto Datafolha. Assim, correntes de pensamentos que não utilizam evidências científicas contribuem para a disseminação de notícias falsas e, consequentemente, favorecem o processo popular de demérito do conhecimento racional. Diante desse fator, é preciso que a sociedade seja capaz de distinguir as diferenças entre a ciência e a pseudociência, pois, esta não é reconhecida no meio acadêmico.


   Sob esse ponto de vista, é de fundamental importância ressaltar que o método cientifíco não se baseia em "achismos", afinal, ele observa, problematiza, faz testes e, por fim, comprova ou não uma hipótese. Nessa perspectiva, a fim de evitar a incredulidade na ciência em fase adulta, é necessário que a escola seja capaz de estimular a curiosidade dos alunos acerca da pesquisa e experimentação. Uma vez que, de acordo com o filósofo Immanuel Kant, "o homem é aquilo que a educação faz dele". Dessa maneira, com o objetivo de evitar dúvidas sem sentido, verifica-se que é imprescindível despertar, durante a infância, o interesse pelo pensamento científico. 


     Fica evidente, portanto, que é essencial para a conjutura nacional a valorização das conquistas científicas. Por conseguinte, para promover a consolidação do saber racional, cabe ao Ministério da Ciência, em parceria com o Ministério de Educação, disponibilizar um maior número de bolsas de iniciação científica para estudantes do ensino médio e do nível superior. Isso pode ser feito por meio da destinação de uma parte dos impostos arrecedados pelo Governo para o setor de pesquisas. Além disso, cabe a mídia funcionar como agente de alerta da população, desconstruindo teorias que não apresentam estudos rigorosos. Por fim, como efeito, o movimento de antivacinação, ou qualquer outro que seja capaz de colocar em dúvida o conhecimento técnico, não terá adeptos.


 


 


 


 


 


 


 


 


 

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!