ENTRAR NA PLATAFORMA
A banalização do coaching

Segundo Zygmunt Bauman, a sociedade atual busca agilidade e rapidez, mesmo que não haja resultados completamente satisfatórios no final. Nesse contexto, a banalização do coaching pode ser compreendida. Como principal motivo, temos a falta de profissionais qualificados no mercado, se apropriando de títulos que não os cabem. Consequentemente, há um desrespeito com o trabalho científico de diversas áreas e com os clientes, que são muitas vezes enganados. 


Em primeiro plano, é importante destacar que a qualificação dos profissionais é indispensável para a sua atuação. Logo, a partir do momento que qualquer pessoa pode virar coach, gera uma ruptura na ideia de qualificação. Visando acabar com os enganadores de plantão, foi criada uma proposta de criminalização do coach. Nesse cenário, é importante ressaltar que a criminalização, ao invés da capacitação adequada, pode levar a profissionais ilegais no mercado.


Como consequência, há uma invasão indevida em diversas áreas, como psicologia e física, como também a enganação de diversos clientes em estado de fragilidade emocional. É comum vermos em redes sociais, como instagram, "profissionais" auto-intitulados terapeutas quânticos, mas que não possuem a mínima formação em psicologia ou física, agem de má fé visando indivíduos emocionalmente frágeis.


Portanto, é necessário que criem-se medidas para resolver essa problemática. Dessa forma, o governo deve buscar a capacitação desses profissionais, e não sua criminalização, por meio de uma lei que obrigue que os coach tenham, anteriormente, uma formação na sua área de atuação, como também uma análise criteriosa das Escolas de coaching no Brasil. Tendo como principal objetivo, profissionais qualificados no mercado e clientes satisfeitos. 

Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde