ENTRAR NA PLATAFORMA
A banalização do coaching

Na trilogia ''Jogos Vorazes'', algumas pessoas possuem seus próprios mentores, para orientação das ações corretas, no entanto aqueles muitas vezes não possuem formação apenas experiência, o que pode causar problemas ao invés de ajuda. Fora das telas, a realidade é semelhante quando se trata do coaching, visto que este é muito banalizado no Brasil hodierno e a maioria não possui um preparo específico. Desse modo, torna-se premente analisar os ocasionadores da problemática: o modismo da técnica e a falta de informação da sociedade.


Em primeira análise, é possivel observar que ser coaching é um novo modismo no tecido social, logo, muitas pessoas buscam seguir isso e, na maioria das vezes, se tornam um sem preparação. De acordo com a Política de Aristóteles, a felicidade total só é alcançada quando tudo exerce seu fim. No entanto, quando se trata da técnica do coach, observa-se que esse pensamento é pouco constatado ná prática, visto que aquela muitas vezes não cumpre sua finalidade que é, atingir os objetivos pessoais de forma clara, e isso ocorre pela falta de preparo da pessoa. Pode-se detacar, a banalização daquele, aquela acha que pode se tornar um mentor apenas por um experiência, o que é errado, dado que requer um estudo por trás.


Outrossim, cabe salientar que a deficiência informacional na população é um impulsionador da problemática. Hodiernamente, se tornou um padrão cada pessoa possuir um coaching, tanto para ajuda profissional e até pessoal. Entretanto, aquela pouco pesquisa se o coach é preparado para ajudá-la e orientá-la, o que é incorreto, já que muitos se passam por profissionais sem nenhuma preparação. E por consequência, o coach despreparado pode prejudicar o cliente, assim como a professora Anna Scofano da FGV afirmou, aquele, por muitas vezes, promete algo que não pode cumprir e e ludibria o tecido social. Por isso, é necessário ter informações do coaching.


Portanto, é necessário que haja intervenções para resolver o impasse. A fim de minimizar a banalização do coaching e ter a certeza de pessoas com formação, urge que o MEC insira nas faculdades atividades obrigatórias para coach, que tenha contato com o público e disponibilidade nas bibliotecas para estudar as técnicas, com supervisão. Além disso, as redes sociais mais usadas no momento, como Instagram, devem criar campanhas com o intuito de alertar o tecido social a respeito do profissional não preparado, assim aquele poderá fazer denúncias ao Poder Judiciário, a fim de que a população se mantenha informada. Só dessa maneira, a política de Aristóteles será seguida.


Ver todas as redações Corrija suas redações com a nossa plataforma! Clique aqui!
Message comes here!
Aguarde