A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema: A liderança move o mundo.

Texto 1:

De acordo com o estudioso norte-americano Warren Bennis, a liderança pode ser definida como a capacidade de traduzir a visão em realidade.

Houve inúmeros exemplos disso ao longo da história, a partir de conflitos militares e projetos humanitários, que se transformaram em lições para o mundo dos negócios.

A liderança tem um alto impacto para influenciar mudanças positivas, mesmo nas mais difíceis circunstâncias.

Ela também oferece uma visão sobre as qualidades necessárias para um grande líder, muitos dos quais têm valor fundamental que podem ser transferidos através de vários mundos e mercados.

Com isso em mente, vamos dar uma olhada em algumas razões que distinguem alguns indivíduos como grandes líderes:

  1. Eles inspiram a confiança das pessoas ao seu redor
  2. Eles buscam continuamente evoluir e melhorar
  3. Eles são apaixonados e centrados
  4. Eles unem suas tarefas às suas missões de maneira crítica
  5. Eles nunca estão satisfeitos
  6. Eles são movidos pelo medo do fracasso
  7. Eles se comunicam humilde e abertamente

Extraído e adaptado de: http://www.agendor.com.br/blog/razoes-porque-algumas-pessoas-sao-grandes-lideres/

Texto 2:

Os 5 maiores líderes da história mundial

Grandes líderes são aqueles que conseguem agregar outras pessoas às suas ideias, influenciam positivamente o sistema em que estão inseridos e contribuem com o crescimento de todos a sua volta. O verdadeiro sucesso de um líder é o legado que ele constrói durante o exercício de sua missão.

 

Veja abaixo os cinco maiores líderes da história mundial e suas lições:

Bill Gates

Por volta dos seus 21 anos de idade, sagrou-se um dos mais jovens e bem-sucedidos empreendedores. Ao lado de seu amigo e parceiro empresarial, Paul Allen, fundou a Microsoft — a mais importante e popular empresa produtora de software de todo o planeta. Foi um dos desbravadores no campo da criação de um produto que subverteria o modo de vida no mundo moderno: o computador pessoal, ou PC.

Walt Disney

Nasceu em 1901 e morreu 1966, antes mesmo de inaugurar seu famoso parque. Criou uma organização que é referência mundial e tem como foco trabalhar com excelência e ir além, conquistando resultados cada vez maiores e melhores, com clientes satisfeitos e fidelizados, que indicam e divulgam a marca como se estivessem ganhando algo por isso.

A Disney tem como premissa valorizar seu cliente interno, construindo uma cultura organizacional voltada para o sucesso, com líderes de alta performance que estimulam um ambiente colaborativo, com colaboradores engajados que se apropriam do propósito da empresa.

Nelson Mandela

Principal representante do movimento antiapartheid, Nelson Mandela foi um guerreiro da luta pela liberdade. Para o governo sul-africano, porém, ele era um terrorista. Passou quase três décadas na cadeia e, ainda assim, se tornou um ícone internacional na defesa das causas humanitárias.

Steve Jobs

Falecido em 2011, foi um empresário americano responsável pela fundação da Apple. Com sua criatividade, perfeccionismo e espírito de liderança, Jobs agregou seus valores pessoais a seus produtos, gerando mais que consumidores, e sim fãs da marca. Provou, então, que a cultura organizacional é um grande aliado de competitividade de uma empresa.

Martin Luther King

Martin Luther King Jr. foi um importante pastor evangélico e ativista político norte-americano. Lutou em defesa dos direitos sociais para os negros e mulheres, combatendo o preconceito e o racismo. Defendia a luta pacífica, baseada no amor ao próximo, como forma de construir um mundo melhor, fundamentado na igualdade de direitos sociais e econômicos.

Extraído e adaptado de: http://www.ibccoaching.com.br/portal/lideranca-e-motivacao/5-maiores-lideres-historia-mundial/

Texto 3:

De artista a ditador
Hitler foi o arquétipo do líder carismático. Não era um político “normal” – alguém que promete medidas como impostos menores ou melhor sistema de saúde -, mas quase um líder religioso, que oferece metas espirituais, como redenção e salvação. Hitler acreditava estar predestinado a algo grandioso. Ele chamava isso de “providência”.

Antes da Primeira Guerra Mundial, ele era um joão-ninguém, um sujeito estranho, que não conseguia formar relacionamentos íntimos, incapaz de participar de uma discussão intelectual e cheio de raiva e preconceito. Mas, quando fazia discursos para o povo após a derrota da Alemanha na Primeira Guerra, suas fraquezas eram percebidas como qualidades.

O ódio que sentia ecoava os sentimentos de milhares de alemães que, sentindo-se humilhados pelos termos do Tratado de Versalhes, buscavam um bode expiatório. Sua falta de talento para debates era vista como um sinal de caráter, sua recusa em bater papo, a marca de um “grande homem” que vivia em um mundo à parte.

E, acima de tudo, estava o fato de que Hitler descobriu que era capaz de se conectar com sua audiência. Isso, que muitos chamam de “carisma”, formou a base do seu futuro sucesso. “O homem emanava um carisma tal que as pessoas acreditavam em qualquer coisa que ele dizia”, disse Emil Klein, que ouviu Hitler falar na década de 1920.

Paralelos históricos
Hitler disse a milhões de alemães que eles eram arianos e, portanto, “especiais”. Que eram, racialmente, um povo “melhor” do que os outros, algo que ajudou a cimentar a conexão carismática entre o líder e os liderados.

É irônico que, recentemente, a chanceler alemã Angela Merkel tenha sido saudada em Atenas por gregos irados, carregando cartazes com suásticas, protestando contra o que consideram ser uma interferência indevida da Alemanha em seu país. Irônico porque é na Grécia – em meio a uma terrível crise econômica – que observamos a ascensão repentina de um movimento político que se gaba de sua intolerância e desejo de perseguir minorias – o Aurora Dourada.

O movimento é liderado por um homem que alega não ter havido câmaras de gás em Auschwitz. Pode existir um aviso mais sério do que esse?

Extraído e adaptado de: http://noticias.terra.com.br/mundo/oriente-medio/historiador-decifra-carisma-de-hitler-e-ve-paralelos-com-mundo-hoje,e3682ecb7255b310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html

Texto 04

DukeLider

Fonte: http://imguol.com/blogs/58/files/2015/07/DukeLider.jpg

e6c8b43c2f1472e634430b26f70dbac3125

ESCREVER SOBRE ESTE TEMA!

Comentários do Facebook