Não é novidade para ninguém que está estudando pro ENEM que saber das atualidades é importantíssimo. Ler notícias, assistir a jornais e participar de discussões na vida real e até mesmo na internet (debates, não embates, meu caro jovem) é essencial para praticar a sua argumentação e senso crítico. Os temas do ENEM nunca caem do céu ou são trabalho de um oráculo contratado pelo MEC: a proposta escolhida sempre é uma problemática sociocultural discutida naquele ano! Dá uma olhada nos temas que já caíram no ENEM pra ver que estamos falando a real.

Toda proposta de redação vem com textos de apoio, que, obviamente, te apoiam para escrever aquela produção. No entanto, esses textos não podem ser copiados, já que cada trecho de cópia é descontado do total de linhas e, assim, você pode não alcançar o número de linhas mínimo e tirar nota zero.

Por isso, o bom mesmo é estar ligado em todos os problemas que aconteceram no Brasil esse ano, que não são poucos, nós sabemos. Estar a par do tema e ter produzido textos sobre ele é a chave para uma redação sensacional, de fazer qualquer corretor lacrimejar.

Para quem dormiu no ponto e não está tão por dentro das novidades como deveria (ai, ai, ai, mocinho!) ou para quem está precisando de uma retrospectiva 2017 mesmo, nós, do Redação Online, em parceria com oa Politize!, elencamos aqui 10 atualidades que podem cair na redação ENEM:

1) Crise no sistema carcerário brasileiro:

As prisões no Brasil sofrem com a superlotação: em 14 anos (de 2000 a 2014), o número de presos aumentou em 168% (DEPEN). Temos a quarta maior população carcerária do mundo e praticamente o dobro de presos para o número de vagas disponíveis (622 mil detentos e 371 mil vagas, de acordo com o Ministério da Justiça). Além do estado de calamidade em que os presos vivem, não raras vezes revoltas e chacinas em penitenciárias são notícia, além da dificuldade em reinserir esses presos na sociedade: a taxa de reincidência criminal no país chega a 70% – uma das mais altas do mundo. Em 2017, 10 chacinas em presídios de 8 estados brasileiros contabilizaram 133 mortes, muitos deles ligados à guerra de facções. Dessa forma, como podemos fazer das prisões um local de educação e reintegração social?

Para saber mais:

2) O aumento da expectativa de vida como desafio no Brasil

De acordo com o IBGE, a expectativa média de vida do brasileiro subiu de 74,9 para 75,2 anos de 2013 para 2014. O aumento confirma uma tendência: vivemos quase 30 anos mais do que em 1940. O avanço da escolaridade, do sistema de saúde e das redes de saneamento básico são apontados como fatores fundamentais para o envelhecimento da população. Com isso, temos um maior grupo de aposentados e uma parcela cada vez menor de trabalhadores contribuintes para o sistema de previdência pública.

Como seria possível lidar com os desafios do aumento de idosos e do número de aposentados, sem que a população saia em prejuízo? E como garantir que todos tenham o direito à aposentadoria sem afetar as contas públicas? Existe mesmo um déficit na previdência? Quem são os idosos no Brasil e quais direitos garante o Estatuto do Idoso?

Para saber mais:

3) Limites do humor x Liberdade de expressão

A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 5º, IV, protege amplamente a manifestação do pensamento, da criação e da expressão. No entanto, erroneamente, algumas pessoasa sociedade interpretam que, sob a luz da liberdade de expressão, seja possível propagar discursos queos quais incentivaem o ódio e a violência contra uma pessoa, grupo ou instituição – principalmente na internet. O direito à liberdade de expressão deve ser defendido com a mesma força que outros direitos fundamentais, como o direito à igualdade?  Dentro disso, como podemos respeitar as diferenças sem que haja censuras? O que separa a liberdade de expressão dos discursos de ódio?

Para saber mais:

4) Iniciativas para que o esporte seja uma ferramenta de inclusão social

A prática esportiva entre pessoas com deficiência é um processo de reabilitação mundialmente conhecido e é cada vez mais difundido no Brasil e no mundo. No entanto, nem todos os deficientes têm acesso à essa experiência por falta de profissionais e de acesso a equipamentos especializados, entre outros fatores.

Além disso, o esporte pode ser veículo da inclusão e proteção social de jovens e crianças em situação de risco. Que ações são necessárias para que mais pessoas com necessidades especiais sejam atendidas e para que esporte inclua socialmente jovens de baixa renda?

Para saber mais:

5) Doação de órgãos no Brasil

Atualmente, o Brasil está no nível intermediário do Ranking de doações de órgãos no mundo. A falta de esclarecimento, como a insegurança sobre diagnósticos de morte encefálica, faz com que parentes fiquem receosos em optar com a doação. Além disso, não há a cultura no Brasil de se declarar como doador de órgão, o que deixa a decisão a cargo da família tomar uma posição em um momento naturalmente doloroso. Fatos como esses impedem o Brasil de transplantar mais órgãos e, consequentemente, salvar mais vidas. Diante disso, como podemos esclarecer a população acerca da doação de órgãos de modo que se torne um processo cultural?

Para saber mais:

6) Ações para alcançar a igualdade de gênero no Brasil

Igualdade de gênero é um conceito que define a busca parear socialmente homens e mulheres. Atualmente, mulheres recebem cerca de 72% do salário que homens recebem, ambos tendo o mesmo cargo. A desigualdade não se limita ao mercado de trabalho: de acordo com a UIP, apenas 17% de todos os ministérios em todo o mundo são chefiados por mulheres. E elas são apenas 22% de todos os parlamentares. Além disso, 1 em cada 3 mulheres relata ter sofrido algum tipo de violência durante a vida (ONU 2016). Que políticas públicas podem ser criadas para assegurar a segurança física e psicológica das mulheres? Como podemos igualar financeira e politicamente a situação de ambos os sexos?

Para saber mais:

7) Formas para alcançar o equilíbrio entre saúde e beleza

A propagação de dietas milagrosas e instagrammers de corpos perfeitos e sempre de férias tornou-se muito nociva à auto-imagem de grande parte dos jovens. Hábitos alimentares e rotinas de exercícios sem acompanhamento de um profissional podem afetar a saúde daqueles que buscam o corpo irreal. Pensando nisso, o governo francês criou o “alerta do photoshop”, um selo que avisa quando uma propaganda teve retoques digitais. “Expor jovens a imagens normativas e irrealistas leva a uma sensação de auto depreciação e baixa autoestima, que pode afetar comportamentos relacionados com a saúde”, afirmou a ministra da Saúde francesa, Marisol Touraine. Que ações o Brasil, assim como fez a França, pode tomar para que se alie saúde e beleza?

Para saber mais:

 

8) Saúde mental dos jovens

O uso de redes sociais e, principalmente o instagram, são extremaamente nocivas à saúde mental. Isso é o que diz um estudo da Royal Society for Public Health. 90% das pessoas entre 14 e 24 anos usam redes sociais, dado bastante expressivo quando vemos que as taxas de ansiedade e depressão nessa parcela da população aumentaram 70% nos últimos 25 anos. Os jovens avaliados estão ansiosos, deprimidos, com a autoestima baixa. Além disso, o bullying pode ser apontado como uma possível causa desses transtornos. Um exemplo disso foi retratado na série da Netflix “ Os 13 porquês”, em que a personagem Hannah narra a trajetória que culmina em seu suicídio. A narrativa trouxe à tona discussões também ligadas à Baleia Azul, jogo que induz que jovens psicologicamente frágeis atentem à própria vida. Sabendo disso, que iniciativas podem proteger jovens de envolver-se em situações psicologicamente perigosas? O assunto é suficientemente discutido?

Para saber mais:

9) Fake News e pós-verdade

Cada vez mais nos deparamos com a veiculação de fake news. Um bom exemplo disso foram as eleições presidenciais nos Estados Unidos, em que notas com informações falsas tiveram mais alcance no Facebook do que as principais notícias eleitorais de 19 grandes fontes de notícias, como os jornais “New York Times”, o “Washington Post” e a “NBC News”. Enquanto isso, as redes sociais criam aparatos para contar os estragos feitos pela propagação de inverdades. Tal situação vai ao encontro do conceito de pós-verdade: circunstância na qual fatos objetivos têm menos influência em moldar a opinião pública do que apelos à emoção e a crenças pessoais. Dessa maneira, como podemos evitar que essas notícias se propagem educando a população para que haja discernimento entre uma notícia verdadeira e uma fake News?

Para saber mais: 

Mesmo depois de tanta informação, queremos te avisar: cuidado com o discurso de ódio. Na redação ENEM e na vida real, de preferência, você deve respeitar os direitos humanos, para não merecer uma nota zero na redação, ou como pessoa.

O Redação Online e a Politize te desejam uma ótima prova, já que se preparou o ano todo, não é, não tem do que ter medo. Ah, não? Então, pra você que tá perdidinho e nem sabe por onde começar: um textinho.

Lembra da gente no dia 05 e fé no pai que o tema cai.

Beijocas.

QUERO MELHORAR MINHA ESCRITA!

Comentários do Facebook