A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma padrão da língua portuguesa sobre o tema Animais em cárcere e suas consequências, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa e seu ponto de vista.

 

Texto 01

A sociedade humana inventou duas formas de lidar com indivíduos incapazes de viverem de forma justa e ética entre os demais: a exclusão territorial (degredo, exílio, expulsão, ostracismo) e o cárcere (privação da liberdade no próprio território).

As duas formas de lidar com o corpo de seres considerados desagradáveis, perniciosos ou ameaçadores para o bem-estar coletivo têm sido aplicadas ao redor do planeta em todas as sociedades, sejam elas regidas por concepções teológicas, pela ideia de justiça igualitária, ou simplesmente pelas regras do mercado. Quando um humano é retirado do seu ambiente social e enclausurado em algum edifício no qual perde a liberdade física de ir e vir, geralmente tal decisão deve-se a algum ato malévolo praticado por ele.

Todos os indivíduos que nascem na condição animal, sejam mamíferos (humanos e não-humanos), aves, répteis ou insetos, estão condenados a buscar a satisfação de suas necessidades e a interagir com os demais e o ambiente natural, usando sua liberdade física. A vida animal se caracteriza pela necessidade de mover-se para prover-se, seguindo padrões que se mostram eficientes do ponto de vista da espécie e especialmente das características peculiares ao próprio indivíduo.

A prisão de animais em gaiolas, jaulas e cercados, e a manutenção deles em ambientes projetados para atender padrões de higiene humanos (pisos, azulejos), implica privação, para eles, da condição natural ambiental na qual suas mentes encontram alívio emocional, e seus corpos os nutrientes necessários para atender as demandas de suas respectivas dietas. Animais são seres livres por natureza. Não se pode ser ético e mantê-los enjaulados. Além disso, toda forma de aprisionamento implica imposição das escolhas de uns, sobre as preferências dos que estão na condição encarcerada. Quem encarcera o animal passa a ditar o padrão de comer desse animal, em quantidade, qualidade, frequência na ingestão de certos alimentos, composição. Equivoca-se quem pensa que manter o prato do animal bem servido é tudo de bom para o animal. Basta imaginar que eles tem células nervosas olfativas em muito maior quantidade do que as ativadas num cérebro humano. Cheirar e selecionar o alimento faz parte do sistema mental de todo animal, de suas escolhas e preferências. Nós, humanos, nem todos os dias estamos dispostos a comer um mesmo tipo de comida, e não estaríamos dispostos a comer para sempre essa comida. Os demais animais não são diferentes de nós. A prisão do animal em galpões, cercados, jaulas e gaiolas, e sua detenção no espaço privado das residências humanas implicam ditar duramente para eles seus padrões alimentares. De ética, tal prática não tem nada.

(Cárcere de animais: a ditadura humana. Extraído e adaptado de http://www.anda.jor.br/07/03/2009/carcere-de-animais-a-ditadura-humana)

Texto 02

A Agência Estadual de Meio Ambiente de Pernambuco (CPRH) lança nessa terça-feira (5/7) uma campanha de combate ao cárcere de animal silvestre. Intitulada “Animal não é brinquedo”, a iniciativa alerta sobre o crime de manter animais silvestres em cativeiro, especialmente pássaros, muito deles em risco de extinção.

Em várias ocasiões, os ficais perceberam que os animais serviam como brinquedos para criança, muitas delas residentes em regiões sem área de lazer e sem energia elétrica. Por conta disso, a CPRH recolherá brinquedos doados pela sociedade para serem utilizados nos projetos de educação ambiental e para serem entregues no momento da apreensão do animal.

(Campanha combate o cárcere de animais silvestres. Extraído e adaptado de http://www.tribunadabahia.com.br/2016/07/04/campanha-combate-carcere-de-animais-silvestres)

Texto 03

 Quando eu era criança não tinha noção de que manter passarinhos presos ia contra a sua maior riqueza, a liberdade de voar.  Não tinha conhecimento de que meus cães e meu gato eram descendentes de animais selvagens, e um dia, num passado remoto, tinham outro estilo de vida.

      Não tinha consciência da absurda contradição de cuidar dos meus animais em casa e maltratar os outros na rua.   Maldita funda! Ainda bem que não era bom de pontaria!

     Mas um dia a criança cresce, vira adolescente, ainda inconseqüente, porém mais atinado.  Estuda, mantém contato com outros escritos, daqueles que parecem escondidos, pois não há interesse que o grande público tome consciência.  E assim desperta para a triste realidade, a realidade de milhões de animais mortos, diariamente, para o deleite do homem dito civilizado.

      Nas indústrias alimentícias e farmacêuticas, nas universidades e institutos de pesquisa, e mesmo no mais sutil encarceramento, como nos zoológicos e parques aquáticos, o sofrimento dos animais é perpetuado.

      Não me esqueço de um zoológico que visitei, onde pude verificar in loco a tristeza no semblante de alguns animais.  O que mais me chocou foi ver um elefante num espaço pequeno, com uma cobertura improvisada que mal o protegia das intempéries naturais.  Este elefante estava, com certeza, sofrendo, pois o tipo de vida que estava levando era totalmente incompatível com a sua natureza.  Os elefantes são animais muito sociáveis e que caminham muito, seu envolvimento afetivo com seu grupo social está mais do que provado na literatura especializada, portanto deixar um animal deste sozinho em tal ambiente, para a apreciação curiosa dos humanos, é um verdadeiro crime.

(Animais no cárcere. Extraído e adaptado de http://www.zooetologia.bio.br/2016/04/animais-no-carcere.html)

Texto 04

animais circo

Texto 05

animais circo 2

 

animais-em-carcere

ESCREVER SOBRE ESTE TEMA!

Comentários do Facebook