Tema de Redação: Como lidar com o medo nos dias atuais?

por | ago 7, 2017

Início » Dicas de Redação » Tema de Redação: Como lidar com o medo nos dias atuais?

Com base nos seus conhecimentos e nos textos motivadores, elabore uma redação sobre o seguinte tema: COMO LIDAR COM O MEDO NOS DIAS ATUAIS?

Texto 1

Estudos comprovam: sentimos dez vezes mais medo do que nossos pais. O mundo está mergulhado nele. Saiba como chegamos a esse ponto – e o que fazer para se libertar

Você acorda, escova os dentes, se veste, sai para a rua. Pode ser atropelado, assaltado, empurrado no metrô. Se estiver de carro, pode sofrer um acidente de trânsito – ou ficar preso no meio de uma enchente. Ao chegar ao escritório, seu chefe olha estranho… pode estar pensando em demiti-lo. (Talvez você não dê conta do trabalho.) A geladeira pode ter um curto e incendiar sua casa enquanto você está fora. Aliás, será que você se lembrou de trancar a porta? Sua cara-metade pode ter decidido trair – ou largar – você. O clima do planeta pode ter desandado de vez, com consequências terríveis para a humanidade. A inflação pode voltar e levar o seu dinheiro. Você pode apanhar da polícia – ou ser incendiado por black blocs. Pode pegar gripe suína e morrer em dias. Os agrotóxicos da comida podem estar envenenando você. O seu avião pode cair. Você pode ser rejeitado. Fracassar na vida. Aquela dorzinha na barriga… pode ser câncer. E, pior ainda, tudo isso pode acontecer com as pessoas que você mais ama. Nunca houve tantos motivos para sentir medo. E isso está nos afetando. Segundo dados do Instituto Nacional de Saúde Mental dos EUA, 20,8% das pessoas têm transtorno de ansiedade, ou seja, passam o tempo inteiro com medo de alguma coisa (pois a ansiedade nada mais é do que medo antecipado, de algo que pode ou não ocorrer). É dez vezes mais do que na década de 1980. Mesmo que você não seja uma delas, certamente já se sentiu incomodado por algum tipo de medo. Ele se tornou o maior problema psicológico do nosso tempo – e virou parte do dia a dia de todo mundo.

Ter medo não é ruim. Nós só estamos aqui, afinal, porque nossos antepassados eram medrosos e viviam fugindo do perigo. O cérebro humano evoluiu para ser extremamente sensível a ele. Mas isso aconteceu há milhares de anos, quando a vida era muito diferente. Hoje, a quantidade de situações e estímulos que podem nos causar receio é incalculavelmente maior. Daí a explosão de medo na cabeça das pessoas. Não precisa ser desse jeito. Mas, primeiro: por que isso aconteceu?

UM CÉREBRO, DUAS MENTES

O cérebro humano quase triplicou ao longo da evolução. Passou de 600 cm3 no Homo habilis (há 2 milhões de anos) aos 1.400 cm3 do Homo sapiens, 150 mil anos atrás. Nossa massa cinzenta foi crescendo e ganhando camadas, cada uma mais complexa que a anterior, até chegar ao neocórtex – sua parte mais externa, enrolada como uma linguiça, responsável por funções mentais como pensamento e linguagem. Tudo o que você tem de racional está ali. Só que mais para dentro, no miolo do cérebro, existe outra coisa: o chamado sistema límbico. É uma parte mais primitiva, que coordena reações instintivas. Seu pedaço mais importante é a amígdala, que detona as sensações de medo. “Você está caminhando por um bosque, vê uma cobra, se assusta e imediatamente pula para trás, sem sequer pensar a respeito. A amígdala é a responsável por essa resposta”, explica Raül Andero, neurocientista da Emory University, nos EUA. Como as cobras eram um perigo constante para nossos ancestrais, a evolução moldou o cérebro para ter medo delas. Prova disso é que macacos criados em laboratório, que nunca viram uma cobra, se assustam se forem colocados diante de uma (em compensação, se eles tiverem a amígdala retirada, deixam de sentir todos os tipos de medo). Os medos são disparados pela parte primitiva do cérebro.

Quando você anda pela rua pensando nas férias, o seu cérebro avançado está decidindo para onde quer viajar. Mas o cérebro instintivo, sem que você perceba, também está a todo o vapor, de olho nas ameaças imediatas (um buraco no chão, por exemplo). Os dois são interligados, se comunicam, influenciam um ao outro. Por isso, os psicólogos preferem dividir a mente em dois sistemas: o Sistema 1 e o Sistema 2. Cada um é um conjunto de processos mentais envolvendo várias regiões do cérebro.

O Sistema 1 é intuitivo, rápido, emotivo, inconsciente, automático. Sabe aquele pressentimento que você tem quando conhece alguém? É o Sistema 1 em ação. Ou quando volta para casa de forma automática, sem precisar relembrar o caminho? Sistema 1. Tudo o que você faz sem pensar – inclusive sentir medo – é obra do Sistema 1. Já o Sistema 2 é o contrário: ele é o pensamento, lento, consciente, racional. A sua consciência mora dentro dele. “Mas o Sistema 1 é o autor secreto de muitas escolhas e julgamentos que você faz”, explica o psicólogo israelense Daniel Kahneman, ganhador do Prêmio Nobel de Economia e autor de Rápido e Devagar, livro que discute a relação entre os dois sistemas.

O Sistema 1 é essencial para a sobrevivência. É o instinto que nos permite reagir rapidamente a ameaças – seja uma cobra ou um ônibus que avança sobre a faixa de pedestres bem na hora que você está atravessando. O problema é que o Sistema 1 usa regras rudimentares, muitas vezes erradas, para dosar o medo que vamos sentir das coisas. Por exemplo. Quanto mais você se lembra (ou é lembrado) de uma ameaça, mais medo o Sistema 1 produzirá, independente do real perigo envolvido. E ele também é fortemente influenciado pelo medo que outras pessoas sentem (medo é contagioso). Tudo isso nos leva a receios exagerados e errados.

Após os atentados de 11 de Setembro, por exemplo, os americanos ficaram com medo de andar de avião. Muito mais gente decidiu viajar de carro. E, por isso, morreram 1.600 pessoas a mais em acidentes de trânsito nos EUA ao longo de um ano. Avião era, e é, estatisticamente muito mais seguro do que carro. Só que as pessoas se lembraram dos atentados, que tinham sido exaustivamente mostrados pela imprensa, e tomaram a decisão errada. Se tivessem superado o medo, e andado de avião, praticamente todas estariam vivas. “Temos pavor de morrer de repente, junto com outras pessoas”, diz o psicólogo Gerd Gigerenzer, do Instituto Max Planck, na Alemanha, que analisou números fornecidos pelo Ministério dos Transportes dos EUA. “Aí tomamos a decisão errada, e pulamos da frigideira para o fogo.”

Há inúmeros exemplos assim, de medo irracional. Como a mãe que tem medo que seu filho fume maconha, mas não vê problema se ele encher a cara – sendo que o álcool é comprovadamente mais prejudicial à saúde. A pessoa que tem medo de usina nuclear, mas adora ir à praia se expor à radiação solar, algo muito mais arriscado (só o Brasil registra 120 mil casos de câncer de pele por ano). E você tem mais medo de diabetes, aids, ou acidentes de trânsito? No Brasil, a aids (71%) e os acidentes (58%) lideram com folga. E a diabetes nem é citada em pesquisas sobre temores. Mas, pensando racionalmente, é dela que você deveria ter mais medo: em 2010, essa doença matou 54 mil brasileiros, o mesmo que os acidentes de trânsito (42 mil) e a aids (12 mil) somados. Ocorre que os acidentes aparecem todo dia na TV e nos jornais. E o que você acha que terá mais destaque na imprensa, uma celebridade morrer de diabetes ou de aids?

A mídia escolhe as coisas para chamar sua atenção. (Por exemplo: esta foto que publicamos aí do lado.) E as coisas que mais chamam a atenção do cérebro são, justamente, as que mais assustam

O MARKETING DO MEDO

É por isso que existem tantos programas policiais e notícias sobre violência. “Vivemos num mundo onde somos convocados a sentir medo. Na mídia, é como se estivéssemos em perigo constante, podendo ser assaltados em cada esquina”, diz Luís Fernando Saraiva, do Conselho Regional de Psicologia (CRP) de São Paulo. O marketing também é muito baseado no medo. Bancos e empresas de seguro usam esse argumento abertamente, mas, se você observar bem, verá que outros anunciantes também manipulam nossos temores para vender. Só que usam mensagens mais sutis.

“A moda joga com o medo de não pertencer ao grupo”, diz o publicitário dinamarquês Martin Lindstrom, autor de cinco livros sobre as táticas de manipulação usadas pelas empresas. “Aposto que você teria vergonha de sair com a roupa do seu pai, pois se sentiria desconectado da sua tribo”, afirma. “O desodorante traz outro medo, de que você não vai conseguir namorada com seu cheiro. A mesma lógica vale para xampus, branqueadores de dente e academias de ginástica. Afinal, malhamos para estar saudáveis, ou por medo de ficar flácidos?”, questiona Lindstrom. Se você não comprar o carro X, seu filho vai ficar com vergonha quando você for buscá-lo na escola. E por aí vai. Boa parte da propaganda explora o medo da rejeição social.

E esse medo nunca foi tão forte. Nunca estivemos tão ligados uns aos outros, mas, ao mesmo tempo, nunca sentimos tanto medo de não sermos aceitos. Você já deve ter percebido isso quando postou alguma coisa nas redes sociais – e imediatamente ficou ansioso sobre quantos likes aquilo iria ter ou deixar de ter. Um estudo feito pela agência de publicidade JWT com 1.270 americanos e ingleses constatou que 40% dos usuários do Facebook têm medo de não serem incluídos nas conversas online dos amigos. “O mundo exige cada vez mais de nós. Não conseguimos nos desconectar, e aí sentimos mais ansiedade”, diz o psicólogo Saraiva.

Políticos espalham temores para arrebanhar votos, jornalistas faturam em cima de catástrofes, biólogos citam vírus letais quando querem obter fundos para desenvolver vacinas… Todo mundo propaga o medo. Mas não faz isso só por maldade ou interesse próprio. “Se eu disser que há uma doença mortal se espalhando na sala onde você está, você sairá dela mesmo sem saber se é verdade. E vai avisar as outras pessoas”, diz Lindstrom. “Milhares de anos atrás, também espalhávamos a notícia de uma planta venenosa, porque isso aumentava a chance de sobrevivência do grupo.” Ou seja: conforme cada pessoa absorve mais medo, ela também se torna propagadora, espalha esse medo para os outros. É uma reação instintiva.

Ok, sentimos cada vez mais medo porque nosso pobre cérebro é imperfeito – e o mundo moderno explora seus defeitos como nunca. E agora?

Fonte: http://super.abril.com.br/comportamento/medo-como-vencer-os-seus/

 

Texto 2

Confira uma lista com os medos mais comuns do mundo:

1 – Medo da Morte

A morte é uma das grandes certezas na vida humana. Mas enquanto esse momento não chega, as pessoas temem muito a chegada da morte. Ela é considerada como um dos maiores medos em comum de todas as pessoas.

Os indivíduos temem esse acontecimento principalmente na forma como ele pode acontecer. Segundo estudos de uma universidade britânica, acidentes, facadas, tiros, doenças graves e tortura são um dos itens que mais causam medo e pavor para alguém como forma de morte. Eles são listados como os piores desejos para se ter como causa de morte.

2 – Medo de Falar em Público

O medo de falar em público é universal e atinge a uma parcela enorme de pessoas em todo o mundo. Dependendo do nível de medo de um indivíduo, falar em público pode pesar nas habilidades individuais e cognitivas de alguém e gerar graves consequências, como privar-se de sair na rua, conversar com uma pessoa ou até mesmo evitar contato com um membro próximo de sua família.

Uma das dicas que mais ajudam pessoas a enfrentar essa fobia é começando a falar para si mesmo em frente a um espelho, um grupo de pessoas, familiares, até ir conquistando confiança em si mesmo e perder a fobia de encarar multidões, por exemplo.

3 – Medo de Altura

O medo de altura recebe o nome de acrofobia, onde o indivíduo desenvolve um medo de nível irracional e acima do normal de altura. Esse tipo de medo causa ataques de pânico, quando alguém está em exposição a alturas elevadas e principalmente que não possuem algum tipo de proteção. Segundo estimativas, cerca de 2 a 5% da população mundial tenha a acrofobia.

redacao-online-enem

Em um gráfico comparativo entre homens e mulheres, elas apresentaram um resultado duas vezes maior de incidência do distúrbio em relação aos homens. Segundo pesquisadores, este tipo de medo é um instinto de sobrevivência pois também é bastante comum no mundo animal (em outras espécies de mamíferos) e até nos bebês.

4 – Medo de Sangue

Desmaios, batimentos acelerados e até surtos cerebrais. Quem tem medo de sangue passa por situações bastante complicadas. Chamada de hematofobia ou hemafobiahemofobia, o medo por sangue é caracterizado como uma patologia de ordem psicológica que acontece pelo medo em alta carga e de nível irracional de ver sangue.

O sangue, quando visto por alguém com essa fobia, ativa áreas do cérebro que faz a pessoa lembrar de lesões ou vulnerabilidades causando um estado inexplicável de pavor e ansiedade.

Segundo a Medicina, o medo de sangue tem a ver com algum tipo de evento traumático que a pessoa teve em algum momento de sua vida,t endo algum tipo de experiência ou vivência com sangue.

5 – Medo de Insetos

Aranhas, baratas, muriçocas, formigas, abelhas e inclui até animais como sapos, cobras, ratos, entre outros. O medo de inseto também é conhecido como insetofobia ou entomofobia. Ele inclui artrópodes parecidos, insetos e até vermes. Essa fobia causa um medo e aversão extrema a essas espécies.

Ao ver ou estar próximo de algum inseto ou artrópode, o sistema nervoso ativa algumas áreas do campo do cérebro  que faz com que a pessoa entre em estado de pavor, tremura e pânico incontrolável diante dessas espécies.

Segundo especialistas, a insetofobia pode originar-se de situações traumáticas vividas por alguém ou alguma situação parecida. Esse medo atinge principalmente grande parcela das mulheres no mundo todo.

6 – Medo do escuro

Esse medo cerca as pessoas desde a fase da infância. Qualquer barulho estranho à noite, seja um ruído de porta, ranger do assoalho, torneira pingando já são o suficiente para fazer uma pessoa se sentir em pânico e aterrorizada. Na infância, as crianças afirmavam que temiam o clássico bicho-papão ou algum tipo de monstro em seus quartos. O escuro pode gerar uma sensação de abandono e solidão.

Geralmente, o medo do escuro pode ser desenvolvido por conta de uma experiência traumática de uma pessoa que gerou pânico e constrangimento. Alguns especialistas afirmam que o medo do escuro é universal e presente em grande parte das populações.

Esse efeito do medo do escuro acontece desde a fase da infância quando a criança dorme sozinha em seu quarto e começa a ter imaginações sobre possíveis coisas assustadoras em sua casa enquanto o calar da noite chega.

7 – Claustrofobia: Medo de Lugares Fechados

É alguém ficar em um ambiente um pouco apertado, mais fechado etc que a pane começa. O medo de lugares fechados ou Claustrofobia, como é popularmente conhecida, é uma fobia causada por temor a lugares fechados, como quartos, elevadores, trens, túneis, entre outros.

Ela também afeta alguém quando se está diante de uma multidão, por exemplo. Essa situação de estar em pânico diante de locais “fechados”, causam tremuras e suor excessivo, além de boca seca e transtorno de pânico. 2 em cada 10 pessoas sofrem desse medo em todas as partes do mundo.

Fonte: http://www.fatosdesconhecidos.com.br/7-medos-mais-comuns-entre-as-pessoas-no-mundo/

 

Assine um plano do Redação Online
Como fazer uma Redação do zero
Guia da Redação ENEM: tudo o que você precisa saber
Como tirar nota mil na Redação ENEM