Estude com o Redação Online em 2021! Aproveite nosso cupom de desconto VOUPASSAR35 em qualquer plano do site.

Verticalização urbana: avanço ou problema? | Tema de redação

por | mar 17, 2021

Você já ouviu falar em verticalização urbana? Sabe seus impactos, vantagens e desvantagens? Reflita sobre o tema e escreve uma redação!

Leia os textos motivadores a seguir. Assim, com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo sobre o tema “Verticalização urbana: avanço ou problema?”. Use a em modalidade escrita formal da língua portuguesa e apresente proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Então, selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Texto 1

Quando se fala em planejamento urbano, é impossível evitar o tema da verticalização, ou seja, a construção de prédios cada vez mais altos. Esse é um caminho do qual o Brasil, com a quarta maior população urbana do mundo, não tem como escapar. Mas esse processo traz mais benefícios ou prejuízos? Qual o seu impacto sobre as cidades?

A verticalização é um fenômeno global, diretamente ligado à urbanização – ou seja, o aumento populacional das grandes cidades, em detrimento da vida no interior. De acordo com o último Censo do IBGE, o número de apartamentos no Brasil cresceu 43% entre 2000 e 2010, passando de 4,3 milhões para 6,1 milhões.

Os especialistas em planejamento urbano concordam que a verticalização é um processo sem volta. Para que ele traga benefícios, é preciso garantir que, ao acomodar moradores em prédios mais altos, seja possível aumentar a densidade demográfica, ou seja, ter mais pessoas morando em uma determinada área.

Fonte: https://g1.globo.com/especial-publicitario/em-movimento/noticia/verticalizacao-urbana-solucao-ou-problema.ghtml

Texto 2

Charge sobre a verticalização urbana

Fonte: http://desvendandoageografia.blogspot.com/2010/07/uso-de-charges-em-aulas.html

Texto 3

Cidade com algumas das mais belas praias paulistas, São Sebastião completa 385 anos nesta terça-feira (16) em luta para evitar a deterioração urbana que afeta outros municípios litorâneos, excessivamente verticalizados.
Projeto em tramitação na Câmara de Vereadores muda o atual plano diretor do município e pode liberar a construção de prédios com o dobro de pavimentos do que o permitido atualmente.
Associações de moradores e setores organizados da sociedade civil apontam o risco de serem erguidos espigões na região central e em sete praias.
A mais antiga cidade do litoral norte, com 90 mil habitantes, é a que resistiu de forma mais efetiva à especulação imobiliária. A legislação municipal impede a construção de prédios e valoriza a natureza que cerca suas praias mais badaladas.

Fonte: https://sao-paulo.estadao.com.br/blogs/pelo-interior/sao-sebastiao-faz-385-anos-resistindo-a-proposta-de-verticalizacao-urbana/

Texto 4

O adensamento populacional nas grandes cidades oferece inúmeros desafios aos planejadores urbanos. Ainda que não exista uma equação fácil para conciliar as demandas práticas da civilização humana com as da sustentabilidade, muitas vezes defensores de uma ou outra visão utilizam argumentos hostis uns contra os outros. Ou seja, os práticos na resolução dos problemas urbanos, sociais e econômicos defendem o adensamento das cidades, inclusive através da verticalização, enquanto outros segmentos a demonizam como mero instrumento de especulação e de imposição de força econômica.
Longe de querer afirmar que a verticalização das cidades só traga vantagens, podemos e devemos ir além da crítica à especulação, mesmo porque ela é muitas vezes exagerada. É verdade que mais construções costumam atrair mais construções, de maneira que esse ciclo é alimentado e alimenta o encarecimento dos terrenos urbanos, progressivamente disputados. Essa valorização é uma das principais motivações para a verticalização dos empreendimentos, por possibilitar que o custo dos terrenos seja rateado por um número maior de unidades imobiliárias nele construídas. Com isso, a verticalização também democratiza o espaço urbano, ao franquear uma localização conveniente e bem-estruturada, para um número maior de pessoas.
É importante enxergarmos que a verticalização pode trazer várias vantagens para as grandes cidades, como evitar a impermeabilização do solo. Um mesmo edifício vertical, caso tivesse suas unidades imobiliárias dispostas lado a lado na horizontal, certamente ocuparia uma extensão muito maior de terreno natural, impactando a absorção de águas pluviais. Nesse cenário, as cidades ocupariam muito mais espaço que os atuais, não apenas em função da maior área ocupada pela projeção dos edifícios, mas também pelas vias urbanas que seriam necessárias para lhes dar acesso.
Fonte: https://www.em.com.br/app/noticia/opiniao/2019/08/01/interna_opiniao,1073936/a-verticalizacao-das-cidades.shtml

Texto 5

Tempo seco, umidade baixa e calor são características conhecidas do clima sob o qual os brasilienses vivem boa parte do ano. No entanto, o que era para ser um fenômeno natural está se agravando em áreas verticalizadas da cidade. Brasília deveria ter o clima extremamente ameno, mas grandes construções no Distrito Federal geram ilhas de calor. Estudos e especialistas apontam o aumento da temperatura nos Setores Bancários Sul e Norte e na região de Águas Claras. A variação pode ser de até 6° C e o calor permanece por mais tempo. A falta de vegetação e de planejamento são as principais causas desse problema.

A especialista em arquitetura e urbanismo e bioclimatismo da Universidade de Brasília (UnB) Marta Bustos Romero explica que há aumento da temperatura nas áreas com mais construções. “Realizamos estudos nos setores bancários Sul e Norte, na área próxima ao Noroeste e orientei uma dissertação de mestrado sobre Águas Claras. Todos os resultados apresentaram temperatura superior às regiões com mais verde”, ressalta. Portanto,
a estudiosa diz que a diferença é perceptível. “Se sairmos dessas áreas de concreto e formos até o Parque da Cidade, por exemplo, notaremos a diferença instantaneamente”, assegura.

Marta alerta que o fenômeno pode se expandir para cidades em processo de verticalização, como Samambaia e o Noroeste. “Sem dúvida, as ilhas de calor começam com a construção das cidades!”, diz. Então, segundo ela, os materiais urbanos, como concreto e pavimentação, têm capacidade diferente dos elementos naturais.

“A luz do sol é refletida para a atmosfera, porém, esses elementos absorvem o calor e não devolvem instantaneamente. As superfícies ficam aquecidas e a temperatura só volta a ser redistribuída à noite”, esclarece. Com isso, ocorre o aumento do calor tanto no período diurno quanto no noturno, além da dificuldade de ventilação.
Os danos poderiam ser amenizados com o adequado planejamento antes de construir, o que passa pela qualidade dos materiais utilizados nas edificações, uma vez que podem amenizar os danos. “Outro fator que influencia diretamente as ilhas de calor é o que nós denominamos de morfologia urbana. Ou seja, deve-se pensar a altura e a distância entre os edifícios, bem como a inclusão de áreas com vegetação “, alerta a estudiosa.
Fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2018/01/28/interna_cidadesdf,656221/como-as-grandes-obras-verticais-estao-criando-ilhas-de-calor-no-df.shtml

Confira uma lista de repertórios que preparamos para o temaVerticalização urbana: avanço ou problema?”! Após escrever sua redação, não se esqueça de enviá-la em nossa plataforma para receber a correção em até 3 dias úteis!

[maxbutton id=”5″]

<a href="https://redacaonline.com.br/blog/author/claudiabechler/" target="_self">Cláudia Bechler</a>

Cláudia Bechler

Bacharela e Licenciada em Letras Português e Literaturas de Língua Portuguesa pela UFSC. Mestra em Linguística pelo Programa de Pós-graduação em Linguística da UFSC.
Assine um plano do Redação Online

Posts relacionados

Como fazer uma Redação do zero
Guia da Redação ENEM: tudo o que você precisa saber
Como tirar nota mil na Redação ENEM