Zerar a redação pode ser o fim do sonho construído em um ano inteiro de estudos. Saiba o que JAMAIS FAZER na redação do ENEM e garanta seus pontos na prova!

Em 2019, 4% dos inscritos no ENEM tiraram zero na prova de redação (quase 144 mil participantes). Dessas redações, 42% entregaram a prova em branco, 28% fugiram ao tema e 16% fizeram cópia dos textos motivadores. As demais situações correspondem a texto insuficiente ou não atendimento ao gênero exigido. Portanto, garantir uma boa nota na redação é importante porque ela pode elevar a média geral dos candidatos a vagas nas universidades, servindo também como critério de desempate em processos seletivos que usam a pontuação do exame nacional, como Sisu, ProUni e FIES.

Neste texto, vamos conhecer as situações que podem zerar a redação do ENEM. Como já mencionamos no blog, o Inep divulgou em 2020 as cartilhas de treinamento dos corretores abordando todas as competências. Assim, é importante que você acesse esse material e saiba exatamente o que os avaliadores procuram em seu texto para pontuá-lo ou zerá-lo. Além disso, tais situações estão descritas na Cartilha do Participante, a qual cada inscrito tem a responsabilidade de ler. Na sequência, vamos contar o que não fazer no dia da prova. Boa leitura!

Redações em branco e textos insuficientes

Primeiramente, você precisa saber que, nos casos em que o participante deixa a prova em branco ou o texto é insuficiente (tiver até 7 linhas escritas), não são os avaliadores que vão zerar a redação. A folha em branco já é identificada e separada durante o processo de digitalização. Igualmente, esse procedimento prévio é feito também com textos que apresentam até 7 linhas escritas (o título sempre é considerado na contagem de linhas, embora ele não seja obrigatório).

Formas elementares de anulação

Essas situações ocorrem porque o participante descumpre (deliberadamente ou não) as orientações básicas para a produção textual que a proposta do ENEM prevê:

  • prova assinada: presença de assinatura, apelido, rubrica, iniciais, nome simples ou nome completo isolados do corpo do texto, rasurados ou não. Portanto, não se identifique de forma alguma no texto!
  • desenhos na folha de prova: qualquer representação de seres, objetos etc. Também podem ser quaisquer ícones que traduzam ou resumam emoções (emoticons/emojis), sensações etc. Além disso, não use gráficos, tabelas e esquemas. E atenção para esse alerta do Inep:
Fonte: Inep (2019).

Portanto, na dúvida, não enfeite seu texto! Já pensou escrever 30 linhas e zerar a redação por uma bobeira dessas?

  • número(s) isolado(s) no corpo do texto. Atenção: não se refere a números em percentuais de dados apresentados ou outras situações em que a presença de números está fazendo parte do texto de forma coerente;
  • sinal gráfico que não faz parte do texto escrito: são considerados sinais gráficos os símbolos de interrogação (?) e exclamação (!) – quando isolados do texto -, o asterisco (*), a arroba (@), a hashtag (#), entre outros.
  • casos de anulação proposital: quando o participante anula todo o texto que escreveu, rasurando-o.
  • recusa explícita em escrever a redação: não é apresentado nenhum texto além de uma frase de recusa ou de zombaria com relação ao exame. Por exemplo: o participante escreve um texto para dizer que não quer escrever a redação;
  • texto ilegível: quando, no texto, (i) não se identifica sequer configuração de letras; (ii) identificam-se letras,
    mas não formação de palavras; ou (iii) se identifica apenas uma ou outra palavra legível, mas não o suficiente para que o texto seja avaliado normalmente. Não se refere a uma “letra feia”, mesmo assim, capriche ao máximo na sua!
  • texto em língua estrangeira, com trecho de 7 linhas ou menos em Língua Portuguesa.

Cópia

Copiar, integral ou parcialmente, trechos da prova de redação ou do caderno de questões, sem que sejam apresentadas mais de 7 linhas de texto autoral, vai zerar a redação. Lembre-se de que você pode, sim, se inspirar nos textos motivadores e usar alguns dos dados apresentados neles para compor o seu texto. Porém, caso seja necessário fazer isso, prefira parafrasear os trechos. Se a redação for bem escrita e não se configurar como cópia, é possível tirar 3 na competência 2 dessa forma. Mas, conforme a matriz de correção, textos com muitos trechos de cópia não ultrapassarão o nível 2 na competência 2.

Para um melhor desempenho, INVISTA EM AMPLIAR SEU REPERTÓRIO SOCIOCULTURAL. Assim, não será necessário correr esse tipo de risco no dia da prova!

Fuga ao tema

Para zerar a redação por fuga ao tema, o avaliador analisará se o participante não só compreendeu a proposta de redação como também a importância de desenvolver o tema. Assim, serão verificadas as habilidades de leitura e escrita, de forma integrada. Quem for prestar a prova, precisa ter atenção à frase temática (aquela que informa sobre o que você precisa escrever). Em 2019, a frase temática era “Democratização do acesso ao cinema no Brasil“. Portanto, para abordar o tema de forma completa, era necessário não só falar de “acesso ao cinema no Brasil”, mas explicar de que forma se dá/deu/dará a sua democratização.

Assim, caso o participante tenha falado apenas de democratização (sem atrelar à questão do acesso ao cinema no Brasil) ou apenas do acesso (sem mostrar de que forma ele pode ser democratizado), houve tangenciamento. Por isso, é fundamental ler e reler a proposta, grifar a frase temática, identificar o tema (mais específico) e o assunto (mais amplo). 

No caso das redações de 2019, os participantes que zeraram por esse critério podem, por exemplo, ter mencionado cultura em geral ou não especificaram o cinema. Também podem ter explorado apenas “democracia” e não a democratização atrelada ao acesso ao cinema no Brasil. Anteriormente, quando o tema foi “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”, alguns não especificaram os surdos nos textos. Desse modo, trataram sobre pessoas com deficiência em geral. Assim, podem tanto ter fugido ao tema como tangenciado, dependendo da abordagem.

Não atendimento ao tipo textual

A proposta de redação é bastante específica quanto ao tipo de texto solicitado: dissertativo-argumentativo. Esse tipo é aquele em que

“as ideias são organizadas no sentido de persuadir o leitor, de convencê-lo. Os enunciados (argumentos) atribuem qualidades e informações em relação ao objeto ou fenômeno de que se fala para reforçar uma
posição, um ponto de vista. Os argumentos podem ser exemplos, qualidades, depoimentos, citações, fatos, evidências, pequenas narrativas, dados estatísticos, entre outros recursos de convencimento.” (GARCEZ, 2016, p. 46 apud INEP, 2019, p. 83).

Portanto, um corretor irá zerar a redação que:

  • for predominantemente narrativa. Nesse caso, o uso da primeira ou terceira pessoa e os relatos pessoais são mais comuns. Assim, para não errar o tipo textual, evite contar histórias ou a sua relação com o tema, por exemplo. Preze pela objetividade que o texto dissertativo-argumentativo pede.
  • marcas estruturais de poema, oração, carta, listas etc.

Partes desconectadas

Certamente, você já ouviu falar da redação com o hino do Palmeiras (em 2012) e a da receita de miojo (em 2013). Foram casos famosos na mídia. Além desses, existem outros exemplos ao longo dos anos em que a prova é aplicada. Nesses casos, a polêmica deveu-se ao fato de tais estudantes terem recebido nota por essas redações (baixas, mas mesmo assim foram avaliadas). Em virtude desse tipo de situação, houve mudanças na avaliação da redação. Portanto, são zeradas as redações que apresentarem os seguintes tipos de “partes desconectadas”:

• impropério (“palavra de baixo calão”, mesmo que tenha sido usada sem intuito de ofender) ou ofensas (expressões potencialmente ofensivas precisam ser dirigidas a alguém/a um grupo pelo próprio participante com a intenção clara de ofender);
• zombaria: uso de expressões de deboche incompatíveis com a situação de prova, mesmo que não esteja desconectado do projeto de texto;
• identificação do participante no corpo do texto;
• reflexão do participante sobre a prova ou sobre o seu próprio desempenho no exame. Ocorre quando o participante escreve que não está conseguindo desenvolver o tema, que está cansado, desculpa-se pela letra etc.;

E não acabou… Pode ser considerado parte desconectada, ainda:

• recado ou bilhete desconectados do projeto de texto do participante e da situação comunicativa do exame, como deixar uma mensagem para que o avaliador lhe dê uma boa nota, por exemplo;
• oração ou mensagem religiosa;
• mensagem política: deixe isso para as suas redes sociais!;
• trecho/texto sobre outro assunto (mostre seu amor por seu time ou seus dotes culinários em outro momento!);
• mensagem ou frase desconectada da temática proposta e do corpo do texto.

Ufa! Precisamos ficar atentos há muitas coisas na hora da prova. Certamente, quem está se preparando já conhece a maioria dessas situações que podem levar uma redação à nota zero. Porém, é sempre bom saber exatamente aquilo que pode prejudicar um ano inteiro de estudos. Agora que você já sabe tudo isso, compartilhe esse conhecimento com as outras pessoas! Até a próxima!

QUERO APRENDER REDAÇÃO!

Comentários do Facebook