Texto 1:

Conversar com os amigos em um grupo do Whatsapp, fazer uma chamada de vídeo com aquele parente que mora longe e pagar contas pelo aplicativo do banco no celular: se você acha que tudo isso é coisa de gente jovem, está na hora de rever os seus conceitos. De acordo com Maisa Kairalla, médica geriatra e presidente da SBGG-SP (Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia do Estado de São Paulo), a inclusão digital na terceira idade, mais que necessária, é positiva para a saúde da população com mais de 60 anos.

— O acesso aos dispositivos digitais estimula o cérebro e, nesse sentido, os ganhos cognitivos são vários. Há pesquisas que mostram benefícios para aspectos como memória e até depressão, que nós observamos muito no consultório. Na internet, o idoso interage e socializa mais. Isso faz bem para o comportamento dele, já que ele fica mais ativo e se integra à realidade de hoje, em que boa parte da rotina envolve tecnologia.

No Brasil, cada vez aumenta o número de pessoas acima de 50 anos envolvidas com as novas tecnologias. Segundo pesquisa divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 2016, 14,9% da população idosa brasileira utiliza a internet — dez anos atrás, os usuários eram apenas 7,3%. O número de idosos dessa faixa etária que utiliza o celular também aumentou bastante: pulou de 16,8% em 2005 para 55,6% nos dias de hoje.

Camilla Vilela, gerontóloga da Cora Residencial Senior — instituição de longa permanência para idosos da capital paulista —, concorda que os dispositivos trouxeram autonomia para os idosos que, muitas vezes, não gostam de ter que pedir ajuda para realizar tarefas do dia a dia. Os benefícios, segundo a profissional, se estendem para as capacidades motoras e visuais de quem tem mais de 60 anos.

— Só o fato de aprender algo novo, independentemente de ser no computador ou celular, já é um estímulo cognitivo para eles. Fora isso, a interação com os dispositivos tecnológicos acaba trabalhando estimulação motora, percepção visual, memória, atenção e processamento de informações.

Fonte

Texto 2:

Mesmo com a inserção da terceira idade aos aplicativos, dispositivos e redes sociais, discute-se como os idosos realizam o contato com estes softwares. As dificuldades são muitas, e, entre elas, está o difícil entendimento das letras pequenas e a utilização das funções dos dispositivos móveis e smartphones.

​O aposentado Valdir Pedro (73), expõe a sua dificuldade: “Eu sempre tenho que pedir ajuda para meus netos, filhos, sobrinhos ou alguém que esteja perto e possa me ajudar. Eu até tento entender e usar sozinho, mas acabo esquecendo e não tenho facilidade em encontrar o que quero no meu celular, muitas vezes não consigo nem mesmo encontrar os contatos que procuro”.

​Sobre esse aspecto, ​Camila Maciel, professora de Filosofia e Ciências Humanas, no Departamento de Comunicação Social, da UFMG, relata: “a acessibilidade não é pensada nem mesmo para as pessoas que não possuem deficiências graves. É um assunto amplo, mas tratado com descaso. Exige um conhecimento maior do diagramador, e o mercado, em grande parte, não se preocupa com tal problema”.

A profissional explica que, para o desenvolvimento de interfaces, é necessária uma pesquisa aprofundada sobre o perfil do usuário. Mas, essas análises possuem custo elevado e nem todas as empresas estão dispostas a arcar com esse investimento.

Portanto, o acesso para a terceira idade encontra-se em um nível muito precário, devido às limitações que estes possuem. “Até mesmo os programas feitos para esses indivíduos precisam ser pensados em questões específicas. Por exemplo, criar um programa altamente sensível à tela é um erro, pois essas pessoas já possuem resistência em utilizar esses novos aparatos tecnológicos. A acessibilidade já não é pensada para nenhum usuário, muito menos para pessoas idosas”, destaca a professora.

Ainda de acordo com o Médico Geriatra Daniel Azevedo, o uso de smartphones é menor devido a limitações físicas. “Nessa faixa etária, também por problemas visuais maiores, ferramentas como Whatsapp, são bem menos utilizadas. A maior parte dos pacientes que entram em contato comigo preferem utilizar o e-mail porque a tela do computador é maior, o teclado é simples de digitar. Então é mais fácil para se corresponder do que pelo pela ferramenta whatsapp”, explica.

Já existem alguns programas que são pensados para maiores de 60 anos com o objetivo de estimular a memória e outros parâmetros. A pesquisa para esses projetos exige um engajamento multidisciplinar entre a comunicação, computação e a neurociência.

​A neurociência é fundamental para identificar os sintomas da velhice como perda da memória, enfraquecimento, prostração, etc. Desta forma, aplicativos que avaliam esses fatores cooperam como um auxílio e forma de tratamento para esse grupo através da tecnologia. Porém, esses programas estão apenas em fase de desenvolvimento. E, além disso, é necessário um investimento para que estes cheguem ao mercado. “Não se vê no mercado uma empresa realmente interessada em desenvolver essas técnicas”, conclui a Maciel.

Fonte

Texto 3:

Fonte

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “Desafios da alfabetização tecnológica para os idosos”.

QUERO USAR ESSE TEMA!


Leia também:

Tema de redação: Criptomoedas e impactos na economia

Tema de redação: Tecnologia une ou separa as diferentes classes sociais?

Tema de redação: Desafios para a inclusão de refugiados na sociedade brasileira

Tema de redação: A inclusão de transgêneros no meio acadêmico

Tema de Redação: Iniciativas para que o esporte seja uma ferramenta de inclusão social

Dados confiáveis para usar nas redações

Comentários do Facebook