TEXTO 1

Inúmeros estudos demonstram uma inquietante verdade: a esmagadora maioria de diretores, atores, colaboradores, ou seja, trabalhadores da área cinematográfica – e pasme – até mesmo críticos, são homens. Tal pesquisa revela que “apenas 10,7% dos filmes analisados possuíam um elenco equilibrado de homens e mulheres – a proporção média encontrada foi de 2,25 atores para cada atriz”. O mesmo estudo apontou que um terço das atrizes trajam roupas provocantes ou estão parcialmente nuas nas filmagens.

A desproporção atinge inclusive os bastidores: há uma média de 5 homens para cada mulher trabalhando na indústria cinematográfica. São apenas 9% de diretoras mulheres, contra 91% de diretores homens na atualidade. Na história do Oscar, apenas quatro mulheres já foram indicadas ao prêmio de Melhor Direção, enquanto somente Kathryn Bigelow saiu vencedora nesta categoria pelo filme “Guerra ao Terror”, de 2009.

Não são apenas as mulheres que são deixadas de lado. Uma polêmica envolveu a cerimônia do Oscar do ano de 2016, que, pelo segundo ano consecutivo, não indicou nenhum negro para as categorias principais. O que dizer, então, acerca da participação de outras minorias, a exemplo dos transgêneros, que são massivamente ignorados: “Nenhum personagem transgênero apareceu nos 100 filmes de maior bilheteria de 2014”.

Embora tais dados assustem, a indústria independente tem fornecido mais espaço a esses sujeitos. Um exemplo disso é Sense8, série da Netflix. Entre os protagonistas logo de cara se percebe a mencionada diversidade: uma mulher sul-coreana, que é de dia empresária e à noite lutadora; um ator de cinema mexicano e homossexual; uma indiana que se vê obrigada a seguir a tradição do casamento forçado; um negro humilde buscando sustento para a família em um país com alta criminalidade; a jovem hacker transexual que busca respeito e liberdade, entre outros.

Fonte: https://cinematologia.com.br/cine/representatividade-minorias-no-cinema/

TEXTO 2

Nos anos 80, filmes de blaxploitation eram praticamente as únicas oportunidades para atores negros em Hollywood. Super-heróis eram brancos, altos e, de preferência, homens. Representatividade era uma palavra que definitivamente ainda não tinha entrado no vocabulário dos cinemas.

Nunca foi preciso ser um gênio para perceber essa falta de diversidade nas telas. Para quem não vê facilmente a discrepância, um estudo realizado pela Universidade de Southern, na Califórnia, comprova a falta de espaço enfrentada pelos negros na mídia: nos cem títulos de maior bilheteria nos cinemas em 2016, os brancos representavam 70,8% dos papéis com falas, enquanto atores negros eram apenas 13,6% destes.

O que vemos nas telas se reflete também na autoimagem do público, como mostra uma pesquisa de 2011 sobre a influência da televisão na autoestima de crianças. O estudo entrevistou 396 jovens americanos e chegou a uma conclusão impactante. Enquanto os meninos brancos viam sua autoestima aumentar após serem expostos a programas televisivos, crianças negras de ambos os sexos e meninas brancas passavam a ter uma imagem mais negativa sobre si após horas em frente à tela.

Fonte: https://www.hypeness.com.br/2019/02/o-maior-superpoder-no-cinema-e-levar-a-representatividade-as-telas/

TEXTO 3

Resultado de imagem para representatividade cinema e tv charge

Fonte: https://correionago.com.br/portal/desde-quando-a-tv-te-reflete/

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “A importância da representatividade no Cinema e na TV.

QUERO USAR ESSE TEMA!


Leia também:

Tema de Redação: Desafios do empreendedorismo feminino

Tema de Redação: Racismo velado

Tema de Redação: Desafios para superar a homofobia no Brasil

Tema de Redação: A seletividade penal no Brasil

Tema de Redação FUVEST 2018: Devem existir limites para a arte?

Tema de redação: As altas taxas de feminicídio no Brasil

Tema de Redação: Os relacionamentos abusivos em questão no Brasil

Comentários do Facebook