Quer ir bem na redação? Então você precisa aprender o que é tese!

por | dez 3, 2021

Entender o que é tese na redação é algo essencial para você poder ter um bom desempenho no ENEM. E cá entre nós, esse exame cobra teses como nenhum outro, não é? E nem sempre são fáceis de serem desenvolvidas…

Não se preocupe, nós, do Redação Online, estamos aqui para te passar ensinamentos com foco em exemplos de teses para a redação do ENEM. Uma vez que esse assunto for aprendido, você poderá usá-lo em múltiplos setores da sua vida: tanto acadêmicos quanto profissionais.

Quer aprender? Então não vamos perder mais nenhum minuto!

O que é tese?

A palavra tese é um termo proveniente do grego antigo “tésis” ou “thesis”, que significa proposição. Com o passar dos tempos, ela passou de apenas um posicionamento para uma proposição intelectual muito utilizada na área acadêmica.

É considerado tese um texto que defenda uma ideia, um posicionamento crítico, um ponto de vista que fomente questionamentos sobre determinado assunto. E é por meio de argumentos, fatos e dados que o autor do texto ou pesquisa (ou, no seu caso, da redação do ENEM) justifica o desenvolvimento de sua(s) ideia(s).

Quando ensinamos aqui no blog da Redação sobre texto dissertativo argumentativo, ressaltamos desde aquele momento a importância da tese para alocar suas ideias na redação do ENEM e ainda persistimos no assunto!

Porém, é preciso que você saiba que a palavra “tese” ou “em tese” é popularmente empregada no sentido de referir-se a um assunto que não se tem muita certeza. Sabe quando alguém diz que “em tese, espera terminar o ENEM antes do horário final”, e ela quer afirmar que deseja ou imagina que o tempo total de prova não será necessário? Essa é uma usabilidade da palavra, e não é nesse sentido que o ENEM cobra.

Além disso, existe a tese de doutorado, em que se tem a abordagem completa e absolutamente embasada cientificamente pelo pesquisador para que ele, ao defendê-la, possa receber o título de Doutor. Mas essa também não interessa pro ENEM!

Afinal, o que é tese na redação do ENEM? Podemos afirmar com certeza que a tese é uma característica essencial de alguns gêneros textuais e representa seu posicionamento no decorrer do texto produzido por você durante a resolução da prova do ENEM.

Ok, e como o ENEM cobra teses na redação?

Vamos a alguns pontos importantes, em formato de lista:

  • o ENEM espera que você apresente sua tese já na introdução! Ou seja, em seu parágrafo inicial, além de trazer contextualização sobre o assunto, você também deve se posicionar a respeito daquilo que será abordado. Isso é importante, pois é a partir deste ponto que sua argumentação será desenvolvida;
  • você deverá defender a tese ao longo do texto. Assim, na argumentação você irá trazer argumentos que demonstrem a relevância do seu posicionamento e a validade daquilo que está sendo discutido. Todos os seus argumentos devem servir para o aprofundamento da tese, OU SEJA (muito importante!), nada de trazer um argumento contra e um argumento a favor do assunto! Você deve trazer argumentos que auxiliem no desenvolvimento do seu posicionamento (tese);
  • mesmo que seja sua opinião, você não deve utilizar expressões como “eu acho que” ou “eu penso que” para defender o que diz;.
  • procure sempre – sempre – ser impessoal;
  • como a tese significa, também, “posicionamento crítico”, é importante que você traga argumentos consistentes para fundamentar seu posicionamento. Não é legal se prender demais a ideias de senso comum (nós sabemos que você consegue fazer uma argumentação bem rica!); portanto, sempre desenvolva uma tese que seja defensável;
  • nunca traga uma tese que vá contra os direitos humanos: você, que é antenado, não vai nem pensar em fazer uma atrocidade dessas, não é?
  • sustente sua tese até o fim! Não adianta nada construir uma introdução legal, trazer bons argumentos e, na conclusão, dizer exatamente o oposto daquilo que você está defendendo;
  • por fim, é importante sempre ter cuidado para ser coerente em seu posicionamento durante toda a produção textual.

Exemplos de redação notal mil no ENEM nos últimos anos para você se inspirar

Abaixo, selecionamos três exemplos de redações nota mil escritas por estudantes para te ajudar a entender como a tese é aplicada no ENEM. Em negrito, destacamos os trechos em que as principais ideias dos autores são desenvolvidas e defendidas — sempre utilizando argumentos sólidos! Olha só:

Exemplo 1: “Os desafios da formação educacional de surdos no Brasil” (Enem 2017). Autor: Matheus Rosi
Segundo o pensamento de Claude Lévi-Strauss, a interpretação adequada do coletivo ocorre por meio do entendimento das forças que estruturam a sociedade, como os eventos históricos e as relações sociais. (CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA). Esse panorama auxilia na análise da questão dos desafios para a formação educacional dos surdos no Brasil, visto que a comunidade, historicamente, marginaliza as minorias, o que promove a falta de apoio da população e do Estado para com esse deficiente auditivo, dificultando a sua participação plena no corpo social e no cenário educativo. Diante dessa perspectiva, cabe avaliar os fatores que favorecem esse quadro, além de o papel das escolas na inserção desse sujeito.
Em primeiro plano, evidencia-se que a coletividade brasileira é estruturada por um modelo excludente imposto pelos grupos dominantes, no qual o indivíduo que não atende aos requisitos estabelecidos, branco e abastado, sofre uma periferização social. Assim, ao analisar a sociedade pela visão de Lévi-Strauss, nota-se que tal deficiente não é valorizado de forma plena, pois as suas necessidades escolares e a sua inclusão social são tidas como uma obrigação pessoal, sendo que esses deveres, na realidade, são coletivos e estatais. Por conseguinte, a formação educacional dos surdos é prejudicada pela negligência social, de modo que as escolas e os profissionais não estão capacitados adequadamente para oferecer o ensino em Libras e os demais auxílios necessários, devido a sua exclusão, já que não se enquadra no modelo social imposto.
Outro ponto relevante, nessa temática, é o conceito de modernidade líquida de Zygmunt Bauman, que explica a queda das atitudes éticas pela fluidez dos valores, a fim de atender aos interesses pessoais, aumentando o individualismo. Desse modo, o sujeito, ao estar imersos nesse panorama líquido, acaba por perpetuar a exclusão e a dificuldade de inserção educacional dos surdos, por causa da redução do olhar sobre o bem-estar dos menos favorecidos. Em vista disso, os desafios para a formação escolar de tais deficientes auditivos estão presentes na estruturação desigual e opressora da coletividade, bem como em seu viés individualista, diminuindo as oportunidades sociais e educativas dessa minoria.
Logo, medidas públicas são necessárias para alterar esse cenário. É fundamental, portanto, a criação de oficinas educativas, pelas prefeituras, visando à elucidação das massas sobre a marginalização da educação dos surdos, por meio de palestras de sociólogos que orientem a inserção social e escolar desses sujeitos. Ademais, é vital a capacitação dos professores e dos pedagogos, pelo Ministério da Educação, com o fito de instruir sobre as necessidades de tal grupo, como o ensino em Libras, utilizando cursos e métodos para acolher esses deficientes e incentivar a sua continuidade nas escolas, a fim de elevar a visualização dos surdos como membros do corpo social (PROPOSTA DE INTERVENÇÃO). A partir dessas ações, espera-se promover uma melhora das condições educacionais e sociais desse grupo.
Exemplo 2: “Democratização do acesso ao cinema no Brasil” (Enem 2019). Autor: Daniel Gomes
“O filme ‘Cine Hollywood’ narra a chegada da primeira sala de cinema na cidade de Crato, interior do Ceará. Na obra, os moradores do até então vilarejo nordestino têm suas vidas modificadas pela modernidade que, naquele contexto, se traduzia na exibição de obras cinematográficas. De maneira análoga à história fictícia, a questão da democratização do acesso ao cinema, no Brasil, ainda enfrenta problemas no que diz respeito à exclusão da parcela socialmente vulnerável da sociedade. Assim, é lícito afirmar que a postura do Estado em relação à cultura e a negligência de parte das empresas que trabalham com a ‘sétima arte’ contribuem para a perpetuação desse cenário negativo.
Em primeiro plano, evidencia-se, por parte do Estado, a ausência de políticas públicas suficientemente efetivas para democratizar o acesso ao cinema no país. Essa lógica é comprovada pelo papel passivo que o Ministério da Cultura exerce na administração do país. Instituído para ser um órgão que promova a aproximação de brasileiros a bens culturais, tal ministério ignora ações que poderiam, potencialmente, fomentar o contato de classes pouco privilegiadas ao mundo dos filmes, como a distribuição de ingressos em instituições públicas de ensino básico e passeios escolares a salas de cinema. Desse modo, o Governo atua como agente perpetuador do processo de exclusão da população mais pobre a esse tipo de entretenimento. Logo, é substancial a mudança desse quadro.
Outrossim, é imperativo pontuar que a negligência de empresas do setor – como produtoras, distribuidoras de filmes e cinemas – também colabora para a dificuldade em democratizar o acesso ao cinema no Brasil. Isso decorre, principalmente, da postura capitalista de grande parte do empresariado desse segmento, que prioriza os ganhos financeiros em detrimento do impacto cultural que o cinema pode exercer sobre uma comunidade. Nesse sentido, há, de fato, uma visão elitista advinda dos donos de salas de exibição, que muitas vezes precificam ingressos com valores acima do que classes populares podem pagar. Consequentemente, a população de baixa renda fica impedida de frequentar esses espaços.
É necessário, portanto, que medidas sejam tomadas para facilitar o acesso democrático ao cinema no país. Posto isso, o Ministério da Cultura deve, por meio de um amplo debate entre Estado, sociedade civil, Agência Nacional de Cinema (ANCINE) e profissionais da área, lançar um Plano Nacional de Democratização ao Cinema no Brasil, a fim de fazer com que o maior número possível de brasileiros possa desfrutar do universo dos filmes. Tal plano deverá focar, principalmente, em destinar certo percentual de ingressos para pessoas de baixa renda e estudantes de escolas públicas. Ademais, o Governo Federal deve também, mediante oferecimento de incentivos fiscais, incentivar os cinemas a reduzirem o custo de seus ingressos (PROPOSTA DE INTERVENÇÃO).. Dessa maneira, a situação vivenciada em ‘’Cine Hollywood’’ poderá ser visualizada na realidade de mais brasileiros.
Exemplo 3: “O estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira” (Enem 2020). Autora: Júlia Sampaio
No filme estadunidense “Coringa”, o personagem principal, Arthur Fleck, sofre de um transtorno mental que o faz ter episódios de riso exagerado e descontrolado em público, motivo pelo qual é frequentemente atacado nas ruas (CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA)Em consonância com a realidade de Arthur, está a de muitos cidadãos, já que o estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira ainda configura um desafio a ser sanado. Isso ocorre, seja pela negligência governamental nesse âmbito, seja pela discriminação dessa classe por parcela da população verde-amarela. Dessa maneira, é imperioso que essa chaga social seja resolvida, a fim de que o longa norte-americano se torne apenas uma ficção.
Nessa perspectiva, acerca da lógica referente aos transtornos da mente no espectro brasileiro, é válido retomar o aspecto supracitado quanto à omissão estatal nesse caso. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o Brasil é o país com maior número de casos de depressão da América Latina e, mesmo diante desse cenário alarmante, os tratamentos às doenças mentais, quando oferecidos, não são, na maioria das vezes, eficazes. Isso acontece pela falta de investimentos em centros especializados no cuidado para com essas condições.
Consequentemente, muitos portadores, sobretudo aqueles de menor renda, não são devidamente tratados, contribuindo para sua progressiva marginalização perante o corpo social. Esse contexto de inoperância das esferas de poder exemplifica a teoria das Instituições Zumbis, do sociólogo Zygmunt Bauman, que as descreve como presentes na sociedade, mas que não cumprem seu papel com eficácia. Desse modo, é imprescindível que, para a completa refutação da teoria do estudioso polonês, essa problemática seja revertida.
Paralelamente ao descaso das esferas governamentais nessa questão, é fundamental o debate acerca da aversão ao grupo em pauta, uma vez que ambos representam impasses para a completa socialização dos portadores de transtornos mentais. Esse preconceito se dá pelos errôneos ideais de felicidade disseminados na sociedade como metas universais. Entretanto, essas concepções segregam os indivíduos entre os “fortes” e os “fracos”, em que os fracos, geralmente, integram a classe em discussão, dado que não atingem os objetivos estabelecidos, tal como a estabilidade emocional. Tal conjuntura segregacionista contrária o princípio do “Espaço Público”, da filósofa Hannah Arendt, que defende a total inclusão dos oprimidos — aqueles que possuem algum tipo de transtorno, nesse caso — na teia social. Dessa maneira, essa celeuma urge ser solucionada, para que o princípio da alemã se torne verdadeiro no país tupiniquim.
Portanto, são essenciais medidas operantes para a reversão do estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira. Para isso, compete ao Ministério da Saúde investir na melhora da qualidade dos tratamentos a essas doenças nos centros públicos especializados de cuidado, destinando mais medicamentos e contratando, por concursos, mais profissionais da área, como psiquiatras e enfermeiros. Isso deve ser feito por meio de recursos liberados pelo Tribunal de Contas da União — órgão que aprova e fiscaliza feitos públicos—, com o fito de potencializar o atendimento a esses pacientes e oferecê-los um tratamento eficaz. Ademais, palestras devem ser realizadas em espaços públicos sobre os malefícios das falsas concepções de prazer e da importância do acolhimento das pessoas doentes e vulneráveis. Assim, os ideais inalcançáveis não mais serão instrumentos segregadores e, finalmente, a situação de Fleck não mais representará a dos brasileiros (PROPOSTA DE INTERVENÇÃO).

Como podemos observar nos exemplos, em geral a tese vem depois de uma contextualização, sendo inserida no final da introdução. Não é uma regra, mas faz sentido que seja assim, né? Primeiro você apresenta o que será abordado, depois mostra o que você irá defender.

Também, é possível notar que nos exemplos 1 e 3 temos citações indiretas muito bem inseridas e que agregaram valor à produção. Agora é sua vez! Depois de toda essa ajuda, que tal começar a praticar a escrita do seu texto e enviar pra gente? Conheça nossos planos e pratique redação com a gente!


Leia mais:

Tema de Redação: Desafios para superar a homofobia no Brasil

Tema de Redação: Fake News no Cenário Político Mundial

Tema de redação: A inclusão de transgêneros no meio acadêmico

Assine um plano do Redação Online
Como fazer uma Redação do zero
Guia da Redação ENEM: tudo o que você precisa saber
Como tirar nota mil na Redação ENEM