Não é raro ouvirmos a seguinte frase: “se o concurso tiver redação, eu nem faço”.

Calma lá, coleguinha. Não dá pra desistir da carreira que você quer por causa de uma simples redação (tá, ok, às vezes não é tão simples), né? Bora se juntar a nós, do Redação Online, e superar este medo. Como diria o nobre Chapolin: não criemos pânico!

  1. Não deixe a sua escrita “enferrujar”

Ser concurseiro é, entre outras coisas, lidar com a incerteza. É comum rolar aquela expectativa quanto à abertura ou não do edital de um concurso que você está esperando, né? Se for uma prova para cargos federais e levarmos em conta o momento que o país vive, a coisa fica ainda mais complicada. Então, pega este conselho: não pare de escrever!

Eu não espero o edital chegar para fazer redação, faço todo dia. Faço todo dia (Ok, todo dia, não. Só quis “pablovittarizar” a frase hehehe). Brincadeiras à parte, é muito importante, sim, que você não deixe de escrever entre o intervalo de um concurso em outro, mesmo que ele seja grande. Ou, ainda, se está se preparando para o primeiro concurso e não sabe quando abre o edital, é mais importante ainda que você comece escrever logo e mantenha uma regularidade de produções. Assim como sempre digo para vestibulandos, coloque uma meta de mínimo uma redação feita e corrigida por semana. Nossos corretores estão ansiosos para corrigir seu texto, manda logo!

  1. Ter confiança é top, mas na medida certa

Já fez vários concursos e se sente top das Galáxias em redação? Que ótimo! É importante demais se sentir seguro, mas não pode deixar que a sua confiança lhe faça acreditar que não tem mais nada pra melhorar, pois sempre tem. Sem-pre! Além disso, não podemos esquecer que aquela redação que você fez e foi super bem era sobre outro tema e teve os critérios de correção estabelecidos por outra banca de professores (vou falar mais sobre isso), tá? E, como falei acima, não deixe sua habilidade escrita “enferrujar”.

Nunca fez concurso, mas, na escola, era do queridinho dos professores de redação? É um bom começo!  Mas isso não quer dizer que você vai poder abdicar de treinar a sua produção textual, hein? Lembre-se que estamos lidando com contextos diferentes e, mais uma vez (sim, vou ser chata, pois isso é muito importante), reforço que não dá para parar de escrever e perder a prática.

  1. Fique íntimo dos critérios de correção

É aquele negócio: pra jogar, tem que saber as regras. Já pensou o micão que seria participar de um campeonato de xadrez sem antes conhecer e estudar as regras do jogo? Ou chegar no jogo de xadrez achando que vai jogar poker? Com redação não é diferente, não. Pensa no pânico da criaturinha que não conferiu o edital, vai pro concurso crente que vai escrever uma dissertação e, ao chegar lá, dá de cara com um estudo de caso.

Por isso, leia o edital com muita atenção e, mais do que isso, procure entender claramente os critérios adotados para a correção da redação. Leu uma vez e não entendeu? Bora ler de novo. Ainda tem dúvida? Procure ajuda. No facebook, por exemplo, é comum ter grupos relacionados a concursos. Se você for nosso aluno no Plano MED, você pode, também, pedir ajuda do seu querido tutor, que tá ansioso pra responder suas perguntinhas. Além disso, lembre-se que, no Redação Online,independente do plano escolhido, você pode enviar o edital da prova e ter uma correção de acordo com os critérios da banca, tá? Se ainda não conhece o site, tá perdendo.

  1. Pesquise sobre o temas cobrados anteriormente

Bom, o tema da redação não vai se repetir, mas sabemos que, assim como no vestibular e no ENEM, as bancas costumam de seguir um “padrão” na hora de escolher o tema.  

“Ai, no outro concurso que eu fiz, pesquisei um monte sobre o tema e caiu algo nada a ver com nada.”

Bom, vamos lá. Primeiro, os temas não surgem do nada, certo? E, segundo, é meio clichê dizer isto,mas vou arriscar: o tempo que você gasta adquirindo conhecimento nunca é um desperdício. Além disso, ao estudar alguns temas, você está estudando atualidades, matéria que é cobrada em alguns concursos.

Por fim, o estudo do tema também vai lhe permitir conhecer características específicas da elaboração da proposta de acordo com a banca organizadora. Exemplo: há bancas que elaboram propostas com textos longos, outras preferem textos curtos acompanhados de imagens, enquanto algumas optam por gráficos. Enfim, há algumas possibilidades. E nem preciso lhe dizer que é muito bom ir para a prova tendo ideia do que vai encontrar, né?

 

  1. Não se esqueça de treinar o famigerado uso da língua e famigerada interpretação de texto

É, não dá escapar, você tem que dominar o uso da língua. Além ter precisar disso para a prova de Língua Portuguesa, sua redação também precisa ser construída com o uso da norma padrão do português brasileiro. Então, tá liberado tirar uns minutinhos pra esbravejar:

Pronto, já deu! Agora vamos engolir o choro, a raiva e estudar. Como faz isso? Bem, além de dominar a teoria, você precisa da prática. Uma boa dica é enviar seu texto pra gente, ver quais os erros que você tá cometendo com frequência e focar no estudo da matéria relacionada a eles. Exemplo: os corretores apontam frequentemente que você tem dificuldade com o uso da vírgula? A partir de hoje seu objetivo de vida é ser a rainha ou o rei da vírgula. Tá, não precisa tanto. Mas precisa estudar as regras da vírgula, sim. E sabe o que é mais legal? Se você caprichar no estudo e manter uma frequência bacana de envio de redações, vai ver a mágica da evolução acontecendo. Quando menos se der conta, vai tá usando a virgulinha lindamente.

E a interpretação de texto, hein? É importantíssima. Sem ela, você vai queimar na largada, pois vai ter dificuldades entender o que pede a proposta de redação e também para compreender os possíveis textões dela. Aí complica, né? Além disso, a interpretação de texto é decisiva no seu desempenho na prova toda. Você pode dominar todo o conteúdo específico como ninguém, mas não vai se dar bem se não entender certinho o que o enunciado da questão espera que você responda. Então, coloca aí no seu planejamento uns exercícios de interpretação.

  1. Treine, treine e treine!

Se você chegou até aqui, deve tá cansado só de pensar em tudo que tem que fazer pra ser fodão em redação de concurso. Te entendo, mas fico feliz em te afirmar que a prática é bem menos cansativa que a teoria. Quando você começa a escrever e vê a evolução fluindo, toma gosto pelo negócio e processo se torna leve. E, é claro, nem preciso falar sobre o prazer de colher os frutos dos bons resultados.

Então, ó eu aqui falando de novo: treine! Escreva, veja as dicas do corretor, escreva de novo e, se for preciso, mais algumas vezes. Redação boa não surge do nada, ela é fruto de um processo, que eu sei que você pode e tá disposto a encarar. E não vou me importar se você me chamar de chata por falar tantas vezes que você deve treinar, desde que você faça isso tomando uns bons drinks para comemorar a sua aprovação naquele tão sonhado concurso. Aqui vão dois temas pra treinar: 

  1.  Ética na sociedade contemporânea
  2. O mundo vive uma “desglobalização”?

Queremos que no final dos estudos você só olhe pra geral e diga: “não contavam com minhas astúcia. Agora sou funcionário pú-bli-co!” Bons estudos, galera!

QUERO MELHORAR MINHA ESCRITA!

Comentários do Facebook