Estude com o Redação Online em 2021! Aproveite nosso cupom de desconto VOUPASSAR35 em qualquer plano do site.

A importância da educação financeira | Tema de Redação

por | dez 2, 2020

Reflita sobre a importância da educação financeira e produza uma redação.

Leia os textos motivadores a seguir atentamente. Em seguida, escreva um texto dissertativo-argumentativo de até 30 linhas sobre o tema “A importância da educação financeira“. Para tanto, use a linguagem formal da língua portuguesa. Além disso, não se esqueça de escrever uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos.

Texto 1

Educação Financeira - inscrições abertas! | DAD

Fonte: https://ddrh.propessoas.ufg.br/n/43941-educacao-financeira-inscricoes-abertas?locale=en

Texto 2

Brasileiros ligam finanças pessoais a sentimentos ruins e perpetuam tabu sobre dinheiro

Nunca se falou tanto sobre dinheiro, finanças pessoais e investimentos como atualmente. Com a ajuda da internet, conectando qualquer pessoa de qualquer lugar do mundo a outras, diversos conteúdos são disseminados rapidamente e a educação financeira é um deles. Nos últimos anos, houve uma explosão de youtubers, sites jornalísticos (Valor Investe “nasceu” em maio de 2019) e cursos sobre o tema. Mas o brasileiro segue distante de quebrar o tabu – construído ao longo de décadas – com o assunto dinheiro.

A raiz do problema está muito mais nas questões psicológicas que os brasileiros têm com suas finanças do que com as informações disponíveis sobre o assunto. A constatação é de um amplo estudo do Itaú Unibanco, em parceria com o Datafolha e a consultoria Box1824, sobre a relação emocional do brasileiro com dinheiro, e publicado pela primeira vez pelo Valor Investe.

Foram ouvidos 2.071 brasileiros, sendo 49% homens e 51% mulheres das classes A, B, C, D e E, com idades entre 16 e 65 anos em todo o Brasil pelo Datafolha. Desses, metade (49%) evita até mesmo pensar em dinheiro para não ficar triste.

Como o que os olhos não veem, o coração não sente, diz o ditado popular, 46% dos brasileiros preferem nem olhar para o próprio dinheiro porque acreditam estar fazendo algo errado em termos financeiros.

(…)

O tabu dos brasileiros em geral com o dinheiro é tão grande que a discussão vai além de posses, do tamanho da conta do cartão de crédito ou do que tem no carrinho do supermercado. Para boa parte dos pesquisados, o dinheiro (sua escassez ou abundância) pode moldar/mudar o caráter, como sugere um homem de 27 anos, em São Paulo, ao afirmar que “o dinheiro corrompe a família, as pessoas, é um divisor de águas”.

Diante disso, o estudo buscou em quatro pilares – individual, familiar, social e cultural – entender como se deu a construção de todo esse tabu com o dinheiro e as formas de romper essa barreira para ampliar o entendimento do brasileiro sobre o tema e melhorar sua vida financeira.

Fonte: https://valorinveste.globo.com/educacao-financeira/noticia/2020/11/10/brasileiros-ligam-financas-pessoais-a-sentimentos-ruins-e-perpetuam-tabu-sobre-dinheiro.ghtml

Texto 3

Medo de dinheiro? Quase 50% dos brasileiros têm pavor de encarar suas finanças

“Fobia financeira”. À primeira vista, a expressão parece estranha, mas a verdade é que o medo de lidar com o próprio dinheiro (ou com a falta dele) é bem mais comum do que se imagina. Assim, no Brasil, duas em cada três pessoas sentem algum tipo de cansaço causado por preocupações relacionadas às finanças. E as queixas não param por aí.

De acordo com a pesquisa “O bolso do brasileiro”, realizada pelo Instituto Locomotiva com 1.501 entrevistados, a pedido da Xpeed (escola de educação financeira e negócios da XP Inc), 46% dos brasileiros afirmam ter frequentemente ansiedade em relação à sua situação financeira, enquanto 47% dizem se sentir inseguros em lidar com informações recebidas de serviços financeiros. Além disso, o mais preocupante é que esse receio leva 21% a evitarem abrir boletos e extratos. 39% adiam decisões financeiras pelo medo de encarar o orçamento.

Também para 39%, o assunto dinheiro gera culpa e ansiedade. Outros 31% se sentem irritados de alguma forma com a atual situação financeira. Assim, isso significa que o brasileiro não tem o hábito de falar sobre finanças e atribui aspectos negativos ao assunto. É um tabu.

Segundo Thiago Godoy, head de educação financeira da Xpeed, o objetivo do levantamento foi identificar como está o aprendizado do brasileiro em relação às finanças. Então, uma das frentes analisadas foi a questão da ansiedade perante o dinheiro. “Talvez o maior problema  para começar a educar as pessoas financeiramente é destravar esses medos e ansiedades”, diz.

O especialista explica que, apesar de observarmos esse tipo de fobia em países do mundo inteiro, o Brasil tem níveis um pouco acima da média. “Ao olharmos do ponto de vista cultural e histórico, levando em conta a nossa herança de colonização, tivemos o maior número de escravizados das Américas, sem nunca haver uma reparação disso”, afirma Godoy. “Isso significa que o dinheiro  não foi dividido de maneira proporcional, são questões intergeracionais, passam de pai para filho há séculos”, diz o executivo da XP.

Na opinião de Andreia Fernanda da Silva Castro, economista e fundadora da Rico Foco, consultoria de planejamento financeiro, falta quebrar o tabu de falar sobre dinheiro. “Há um desconhecimento mesmo, nós não falamos sobre dinheiro no sentido de desmistificar”, diz ela, lembrando, assim, de traumas históricos relacionados ao assunto. “Tivemos a questão da hiperinflação vivida no Brasil. Então, nos treinaram para gastar na hora, tudo, com medo de não conseguir comprar o básico no dia seguinte. Dessa forma, a geração hoje na faixa dos 40 anos cresceu vendo seus pais correrem para gastar o dinheiro por conta do aumento rápido de preços”, afirma.

Esses “traumas” deixaram sequelas na forma com que os brasileiros tratam seus gastos. Com isso, as pessoas tendem a ser muito ‘curtoprazistas’ em relação às finanças, sem o hábito de poupar pensando no futuro. Portanto, é a hiperinflação calcada na memória.

Assim, o resultado de todo esse histórico é uma relação muito emocional com o dinheiro, com a consequente dificuldade de encarar as próprias finanças de uma maneira fria e racional. Com isso, a pessoa acaba perdendo o controle sobre as próprias dívidas – o que só retroalimenta o medo.

Existem várias tentativas para quebrar esse tabu entre os brasileiros. O Banco Central (BC) e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), por exemplo, devem lançar até outubro de 2021 uma plataforma de educação financeira. Para isso, então, está sendo realizada uma pesquisa qualitativa em nível nacional com 10 mil pessoas. A partir deste levantamento, será formulado o Indicador de Saúde Financeira, índice que trará uma espécie de diagnóstico de como o brasileiro lida com o dinheiro.

Você não está sozinho

Segundo os especialistas, é importante entender que esse tipo de temor ao lidar com o dinheiro é real e aflige muita gente. A fobia financeira se manifesta, inclusive, com sintomas físicos. Tremedeira, palpitação e suor excessivo ao lidar com números são relatados por 23% da população, por exemplo.

Também há relatos de dor nos músculos (23%) e dificuldades para dormir (21%), devido à ansiedade ao organizar o dinheiro. “Em um certo nível, é preciso um profissional de saúde mental, mas a educação financeira também liberta, no sentido de aumentar o conhecimento financeiro e fazer com que as pessoas se sintam mais seguras”, diz Godoy.

Andreia concorda. “Com a educação financeira, eu aumento a autoconfiança e consigo fazer escolhas melhores. Lido inclusive com a minha frustração, por não ficar rolando dívidas sem fim”, afirma. Para ela, junto com a educação financeira, é preciso estimular a comunicação sobre o assunto. “E assim quem tem esta fobia vai saber que não está só.”

Fonte: https://einvestidor.estadao.com.br/educacao-financeira/medo-lidar-com-dinheiro/

Escreva a uma redação sobre o tema A importância da Educação Financeira após conferir a lista de repertórios que preparamos!

[maxbutton id=”5″]

propaganda redação online

<a href="https://redacaonline.com.br/blog/author/claudiabechler/" target="_self">Cláudia Bechler</a>

Cláudia Bechler

Bacharela e Licenciada em Letras Português e Literaturas de Língua Portuguesa pela UFSC. Mestra em Linguística pelo Programa de Pós-graduação em Linguística da UFSC.
Assine um plano do Redação Online

Posts relacionados

Como treinar redação: quantas redações escrever?

Como treinar redação: quantas redações escrever?

Quer saber quantos textos escrever por semana para treinar redação e alcançar a nota 1000 no Enem e demais vestibulares? A gente conta pra você! Vamos aos fatos: quem pretende fazer Enem e vestibulares em 2021 deve começar a se preparar o quanto antes.  Além de um ano...

5 motivos para adquirir um plano de correção de redações

Ainda não se convenceu que precisa assinar um plano de correção de redações? Nós listamos 5 motivos para você adquirir! Para quem pretende fazer Enem e vestibulares, o foco é um só: ser aprovado! E todo mundo sabe que, seja qual for o processo seletivo, a redação tem...

Como fazer uma Redação do zero
Guia da Redação ENEM: tudo o que você precisa saber
Como tirar nota mil na Redação ENEM