logo redação online

Combate à epidemia de dengue no Brasil

Combate à epidemia de dengue no Brasil

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “Desafios no combate à epidemia de dengue no Brasil” apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. 

Desse modo, selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para a defesa de seu ponto de vista.

  1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
  2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta preta, na folha própria, em até 30 (trinta) linhas.
  3. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para a contagem de linhas. 
  4. Receberá nota zero, em qualquer das situações expressas a seguir, a redação que:
  • 4.1 tiver até 7 (sete) linhas escritas, sendo consideradas “textos insuficiente”; 
  • 4.2 fugir do tema ou não atender ao tipo dissertativo-argumentativo; 
  • 4.3 apresentar parte do texto deliberadamente desconectada do tema proposto;
  •  4.4 apresentar nome, assinatura, rubrica, ou outras formas de identificação no espaço destinado ao texto.

Texto I

A dengue faz parte de um grupo de doenças denominadas arboviroses, que se caracterizam por serem causadas por vírus transmitidos por vetores artrópodes. No Brasil, o vetor da dengue é a fêmea do mosquito Aedes aegypti (significa “odioso do Egito).

Além disso, os vírus dengue (DENV) estão classificados cientificamente na família Flaviviridae e no gênero Flavivirus. Até o momento são conhecidos quatro sorotipos – DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4 –, que apresentam distintos materiais genéticos (genótipos) e linhagens.

No Brasil, a primeira epidemia documentada clínica e laboratorialmente ocorreu em 1981-1982, em Boa Vista (RR), causada pelos sorotipos 1 e 4. Logo, após quatro anos, em 1986, ocorreram epidemias atingindo o estado do Rio de Janeiro e algumas capitais da região Nordeste.

Desde então, a dengue vem ocorrendo de forma continuada (endêmica), intercalando-se com a ocorrência de epidemias, geralmente associadas à introdução de novos sorotipos em áreas indenes (sem transmissão) e/ou alteração do sorotipo predominante, ou seja, acompanhando a expansão do mosquito vetor.

Fonte adaptada: Gov.br

Texto II

O Brasil passou de 1 milhão de casos (prováveis e confirmados) de dengue em 2024. Segundo dados do Painel de Arboviroses do Ministério da Saúde desta quinta-feira (29), o país registrou 1.017.278 casos nas primeiras oito semanas deste ano. No mesmo período do ano passado, o Brasil tinha 207.475 casos.

Dessa forma, até o momento, 214 mortes foram confirmadas desde janeiro e 687 seguem em investigação. Infelizmente, em 2023, foram 149 óbitos entre as semanas 01 e 08.

Fonte: G1

Texto III sobre dengue

A dengue persiste como um considerável desafio para a saúde pública brasileira ao longo dos anos. Indo direto ao ponto, qual a forma eficaz para combatê-la?

Por outro lado, o desafio da dengue no Brasil demanda uma abordagem multifacetada, englobando tanto ações governamentais quanto a participação ativa da comunidade.

Em seguida, a primeira etapa envolve a conscientização sobre a importância de eliminar os criadouros do Aedes aegypti, vetor da doença. Além disso, esforços coletivos e individuais são fundamentais para reduzir os focos de reprodução do mosquito, isto é, especialmente em áreas residenciais e públicas.

Adicionalmente, o cenário é complicado por fatores ambientais como o aquecimento global, que amplia o alcance dos mosquitos e acelera a transmissão do vírus. Nesse sentido, o aumento da resistência do mosquito aos inseticidas complica ainda mais o cenário, isto é, exigindo estratégias inovadoras para o controle vetorial.

Por outro lado, a vacinação surge como um recurso promissor, embora não seja uma solução definitiva devido à complexidade dos quatro sorotipos do vírus da dengue.

Assim, a combinação de medidas preventivas, educativas e a vacinação direcionada aos grupos mais vulneráveis constitui a estratégia mais eficaz atualmente disponível.

Finalmente, os desafios impostos pelos diferentes sorotipos do vírus e sua capacidade de mutação reforçam a necessidade de vigilância contínua e pesquisa.

Desse modo, a compreensão aprofundada da dinâmica viral é crucial para o desenvolvimento de estratégias eficazes de prevenção e tratamento, ou seja, marcando um caminho em direção ao controle efetivo da dengue no Brasil.

Fonte adaptada: Fio Cruz

Texto IV

Fonte: Senado

Livros sobre o combate à epidemia de dengue no Brasil

“Ensaio sobre a Cegueira”, de José Saramago – neste romance, uma cidade é atingida por uma epidemia de cegueira, uma vez que revela aspectos sombrios da natureza humana e a fragilidade das estruturas sociais diante de crises sanitárias.

Filmes e Séries

Filme 1: “Contágio” (2011) – este filme mostra os efeitos devastadores de uma pandemia global, ou seja, destacando a importância da prevenção, da cooperação e da resposta governamental em situações de crise de saúde pública.

Filme 2: “Cidade de Deus” (2002) – Ambientado em uma favela do Rio de Janeiro, o filme aborda questões sociais e estruturais que contribuem para a propagação de problemas de saúde, como a dengue, em comunidades vulneráveis.

Série: “3%” (2016-2020) – A série apresenta uma sociedade futurista dividida entre privilegiados e desfavorecidos, explorando temas de desigualdade, de poder e de responsabilidade coletiva.

Leis e acordos sobre combate à epidemia de dengue no Brasil

  • Meta 3 da Agenda 2030 da ONU (ODS 3), que busca “Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades”.
  • Contexto: a dengue, como uma doença que afeta a saúde pública, está intrinsecamente ligada ao ODS 3, isto é, enfatiza a importância de garantir acesso universal aos serviços de saúde, à prevenção de doenças e à promoção do bem-estar para todos.

Argumento 1: negligência governamental

  • Causa: falta de investimento em campanhas de prevenção e controle do mosquito transmissor.
  • Consequência: sem dúvida o aumento da incidência de casos de dengue e sobrecarga do sistema de saúde.
  • Conceito: a negligência governamental reflete a falta de prioridade dada à saúde pública e ao bem-estar da população, por exemplo.
  • Repertório Filosófico: “A Política”, de Aristóteles, afinal, aborda a responsabilidade do Estado na promoção do bem comum.

Argumento 2: individualismo

  • Causa: falta de conscientização e de adoção de medidas preventivas pela população.
  • Consequência: proliferação do mosquito transmissor e aumento da incidência de dengue em áreas específicas, por exemplo.
  • Conceito: o individualismo prejudica o senso de coletividade e de responsabilidade social.
  • Repertório filosófico: “O Egoísta”, de Max Stirner, explora os impactos do individualismo extremo na sociedade.

Por fim, agora que você está bem informado sobre todos os aspectos a respeito do tema da redação sobre combate à epidemia de dengue no Brasil, que tal colocar seus conhecimentos em prática? Ao acessar o nosso site, sem dúvida, você terá a oportunidade de ter sua redação corrigida pela mais renomada e eficiente plataforma de correção do Brasil.

POSTS RELACIONADOS