Com base nos seus conhecimentos e nos textos motivadores, elabore uma redação sobre o seguinte tema: RELACIONAMENTO ABUSIVO.

Texto 1

Redação enem

Psicóloga explica relacionamentos abusivos: o que é e como lidar com essa situação com essa situação

Raquel Silva Barretto é psicóloga graduada na Universidade Federal Fluminense e mestranda em Saúde Pública pela ENSP/Fiocruz, na sub-área Violência e Saúde. Ela é colaboradora voluntária no site Livre de Abuso e em entrevista ao Repórter Unesp falou sobre as principais características de um relacionamento abusivo e como agir ao perceber que você está envolvida em um.

1) O que caracteriza o relacionamento abusivo?

Relação abusiva é aquela onde predomina o excesso de poder sobre o outro. É o “desejo” de controlar o parceiro, de “tê-lo para si”. Esse comportamento, geralmente, inicia de modo sutil e aos poucos ultrapassa os limites causando sofrimento e mal estar.

É difícil definir quando um relacionamento é abusivo, porém, os principais indicativos de uma pessoa abusiva são: ciúme e possessividade exagerados; controle sob as decisões e ações do parceiro; querer isolar o parceiro até mesmo do convívio com amigos e familiares; ser violento verbalmente e/ou fisicamente; e pressionar ou obrigar o parceiro a ter relações sexuais.

2) Esse tipo de situação pode ocorrer em quais relacionamentos?

Embora a sociedade dê maior visibilidade às relações abusivas entre casais heterossexuais, o abuso ocorre também entre parceiros do mesmo sexo. Em relação à idade, estudos recentes demonstraram que adolescentes brasileiros afirmaram ter sofrido algum tipo de abuso no namoro, o que inclui um novo público nessa perspectiva.

3) Muitas pessoas acreditam que quem está em um relacionamento, “está porque quer”. Entretanto, muitas vítimas não conseguem sair dessa situação. Por que isso acontece?

Sabe-se que no Brasil mulheres jovens são as maiores vítimas de relacionamentos abusivos. Na Pesquisa DataSenado 2013, 30% das mulheres disseram não confiar nas leis e nas medidas formuladas para protegê-las da violência. Somado a tudo isso, a nossa sociedade persiste na cultura da culpabilização das vítimas.

Percebemos ao longo dos atendimentos que as pessoas nos procuram (99% são do sexo feminino) relatando um extremo cansaço e desgaste na relação, porém, ainda questionam se esse abuso teria sido por culpa delas ou se o parceiro de fato é assim. Questionam também seus papéis sociais, e a visão dos outros: “o que vão achar” e “se acharão que o erro foi delas”. Acreditam inicialmente na mudança desse parceiro.

As vítimas principalmente da violência física e abuso sexual, quando relatam a possibilidade de denunciar o parceiro, sentem medo diante de um processo que ainda é juridicamente longo.  Portanto, a dificuldade em sair de um relacionamento abusivo pode passar por questões econômicas, emocionais e afetivas, legais e burocráticas.

4) Como uma pessoa pode perceber que está em um relacionamento abusivo? Como ela pode proceder? Como amigos e familiares podem ajudar essa pessoa?

Essa pessoa deve se atentar aos sinais e excessos em relação ao controle: possessividade, ciúmes, violência, agressividade, e questionar se tais atitudes têm causado desconforto ou mal estar.

É interessante que em um dos casos, uma pessoa atendida chegou à conclusão de que praticava abusos contra o parceiro. Nesse caso, a pessoa que cometia abusos sentia um grande incômodo diante das suas atitudes e veio pedir ajuda. Um relacionamento abusivo também pode ser percebido do ponto de vista de quem comete os abusos. Não necessariamente de quem sofre ou ambos podem estar cometendo abusos um contra o outro e inicialmente sequer se dão conta.

Ao perceber que está sofrendo um abuso ou que está sendo abusivo é fundamental que esse sujeito busque apoio especializado (psicológico e em determinados casos jurídico). No Livre de Abuso, geralmente, encaminhamos todas as demandas para clínicas com atendimento social, em localidades próximas de onde as pessoas residem.

O apoio familiar, dos amigos e conhecidos também é essencial, pois em um momento no qual esse sujeito vem, principalmente, de uma relação desgastada, rompida, é importante criar/fortalecer laços sociais, que o façam sentir seguro, ouvido e acolhido.

5) Quais são as principais dificuldades enfrentadas por uma pessoa que quer sair de um relacionamento desse tipo?

As principais dificuldades costumam ser:

  • Emocionais e afetivas: insegurança e incerteza diante do que virá, medo de ficar desamparado (a), medo de reações provenientes do parceiro, crença de que o parceiro poderá mudar as atitudes e “ser uma boa pessoa”, medo de ficar sozinho (a), crença de que não conseguirá se restabelecer e seguir em frente.
  • Questões legais e jurídicas: desgaste relacionado ao tempo e à burocracia, falta de conhecimento por parte das vítimas sobre o que ocorre entre a denúncia e a sentença.
  • Sociais: a relação abusiva pode ter isolado a vítima e a mesma pode estar distante dos seus familiares e amigos.
  • Econômicas: principalmente quando a vítima depende do parceiro.

Embora as dificuldades estejam presentes é essencial que a pessoa busque ajuda psicológica / especializada e conte com o apoio, seja de amigos, familiares, colegas ou grupos específicos.

Fonte: http://www.reporterunesp.jor.br/psicologa-explica-relacionamentos-abusivos-o-que-e-e-como-lidar-com-essa-situacao/

Texto 2

Relacionamento abusivo vai muito além do ciúme e da agressão física

O tema está em alta após a expulsão do cirurgião plástico Marcos Harter da 17ª edição do Big Brother Brasil. O relacionamento e as brigas do participante com a também gaúcha Emilly Araújo movimentaram as redes sociais e chegaram à Delegacia Especial de Atendimento à Mulher.

É importante lembrar que relacionamento abusivo tem diversos níveis e vai além do ciúme e agressão física. É o que foi salientado pela campanha #EuViviUmRelacionamentoAbusivo nas redes sociais, que mobilizou milhares de mulheres e ficou entre os tópicos mais comentados na web.

A ação contou com depoimentos que expuseram diversos casos de agressão física e psicológica. Os relatos evidenciam a dificuldade em, muitas vezes, reconhecer-se como vítima de um relacionamento abusivo.

Entre os desabafos surgiu o termo gaslighting: uma forma de manipulação utilizada como abuso psicológico, no qual as informações são distorcidas com a intenção de favorecer o abusador e fazer a vítima duvidar da própria sanidade.

Maria Eduarda* já teve um namorado que a fazia sentir louca: “Eu duvidava das coisas que eu fazia porque ele distorcia tudo”. A estudante Paola* passou por uma situação semelhante e conta que, além do namorado quase a convencer a largar a faculdade, usou uma doença para manipulá-la: “Quando eu estava bem ruim de depressão, ele me convenceu que, por conta da doença, eu estava ficando doida, sem saber o que falava. Para tudo que eu fazia eu passei a confirmar com ele antes, para ver se estava certo”.

De acordo a psicóloga Brenda Rocco, uma relação abusiva é aquela onde predomina o excesso de poder sobre o outro. Quando você tem qualquer tipo de relacionamento com uma pessoa e ela invade seu espaço, sua privacidade, começa a mandar nas suas escolhas, limita o seu contato com outras pessoas e usa de qualquer poder que ela tenha sobre você para te coagir, isso é um relacionamento abusivo. Para Karina*, relacionamentos abusivos são como teias: quanto mais você se mexe, mais difícil fica sair, mas funciona cortar.

Traumas

“Até hoje eu sinto que a culpa de tudo foi minha, mas quando eu paro para pensar no quanto eu deixei ele me machucar, eu só quero que ele fique longe. E isso já faz uns quatro anos”, lembra.

O relacionamento abusivo pode influenciar a vida das vítimas reforçando mitos de fragilidade, de incapacidades, de necessidade de dependências, deturpação da própria imagem e autoestima, tornando a personalidade permissiva. Além dos traumas, a pessoa pode ter medo de se relacionar novamente e começar a se perguntar o motivo de ter escolhido um parceiro com aquelas características.

Se você desconfia que uma pessoa próxima se encontra numa relação assim, a melhor forma de ajudar é primeiro auxiliá-la a reconhecer que essa relação é abusiva. Ajude-a a refletir se é uma relação que oprime realizações e objetivos.

Fonte: http://atarde.uol.com.br/brasil/noticias/1855737-relacionamento-abusivo-vai-muito-alem-do-ciume-e-da-agressao-fisica

Texto 3

Relacionamento Abusivo

http://www.desocupadaeamae.com.br/wpcontent/uploads/2015/02/ColorVign_16_bright2.jpg